• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
20 de novembro Chegada dos africanos ao Brasil

Publicado em: 18/11/2013 09:31 Atualizado em: 18/11/2013 11:13

O dia da consciência negra é marcado pela luta contra o preconceito racial. (brasilescola.com.br)
O dia da consciência negra é marcado pela luta contra o preconceito racial.

Tudo começou por volta do século 15 quando os portugueses impedidos de escravizar índios, retornaram ao continente africano oferecendo cachaça, marfim ou em troca de escravos das tribos nativas. Na época, esse tipo de economia contava com o apoio da Inglaterra, que anos depois com a sua Revolução Industrial passou a condenar pois estava interessada em aumentar seu mercado consumidor no mundo.

 


A mudança dos escravos para o continente americano acontecia em tumbeiros ou navios negreiros e duravam cerca de 30 à 45 dias. Logo após chegarem no Brasil desgastados pela longa viagem e pelas péssimas condições das embarcações, os escravos se dirigiam inicialmente para as lavouras canavieiras do nordeste açucareiro, servindo com o mão de obra farta e barata. Eles se dirigiam também para varais, partes do novo mundo, sendo vendidos com lucro para os traficantes de escravos como mercadorias.  A escravidão na América durou quase quatro séculos. E em terras canarinhas, a entrada de escravos foi impedida, em 1850, com a Lei Eusébio de Queirós.

A chegada dos Imigrantes no Brasil

Ocorreu principalmente após a Lei Eusébio de Queirós e contou com a participação de portugueses açorianos, poloneses, eslavos, alemães, e mais tarde, em 1908, com japoneses que dirigiram-se inicialmente para o sudeste e depois para o sul para trabalhar como colonos em lavouras de café, que passou a ser a nossa principal riqueza no segundo Império.

Espanhóis
Depois dos portugueses e italianos, são o terceiro maior contingente imigratório do Brasil. Fixando-se principalmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, iniciaram suas atividades em fazendas, mas acabaram por migrar para as cidades. Atualmente, tal como os portugueses, os espanhóis têm migrado para países europeus, sendo restrita sua participação entre os imigrantes que chegaram após 1970.

Santa Catarina
Em Santa Catarina, imigrantes italianos vindos da Sardenha já habitavam a região de Nova Itália (hoje, São João Batista) desde 1836. Porém, a imigração só começaria de fato em 1875. Foram criadas as colônias de Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra e Apiúna, em torno da colônia alemã de Blumenau; Porto Franco e Nova Trento, em torno da colônia Brusque. A colonização italiana se deu em maior expressividade no sul do estado, no vale do rio Tubarão, as colônias de Azambuja, Pedras Grandes e Treze de Maio: no vale do Urussanga, os núcleos de Urussanga, Acioli de Vasconcelos e Criciúma. Outras colônias foram criadas e ocupadas por italianos vindos do Rio Grande do Sul.

Paraná
No Paraná, os primeiros colonos italianos chegaram em 1878 e se fixaram no litoral, porém pouco tempo depois partiram para a região de Curitiba, fixando-se em diversas cidades. Neste estado, os italianos vieram principalmente trabalhar na produção do café.

Saiba mais

O Dia Nacional da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A semana dentro da qual está esse dia recebe o nome de Semana da Consciência Negra;


A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar da resistência do negro à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro;


Algumas entidades voltadas para a igualdade social organizam palestras e eventos educativos visando principalmente crianças negras. Procura-se evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade;


Outros temas debatidos pela comunidade negra e que ganham evidência neste dia são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra.


 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.