• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
História Educar para Crescer e Laurentino Gomes criam game sobre o livro 1889 Inspirado na última obra do autor, jogo educativo convida crianças e adolescentes a explorar o lado pitoresco e nada convencional dos homens que transformaram o Brasil em uma República

Publicado em: 14/11/2013 09:15 Atualizado em:

O escritor e jornalista Laurentino Gomes desenvolveu para o site do Movimento Educar para Crescer um jogo virtual totalmente baseado no livro 1889 — o último da famosa trilogia sobre a história do Brasil no século 19. O game carrega o DNA das obras do escritor: conta e reforça a história da Proclamação da República por meio de curiosidades e anedotas dos personagens. O game, disponível no link http://educarparacrescer.abril.com.br/1889, leva o jogador a percorrer boa parte da história republicana — da queda do Império de Dom Pedro II à conquista do voto popular.

Como funciona

O jogo tem formato de tabuleiro e cada uma das casas corresponde a um episódio fundamental da história republicana do Brasil. Toda vez que avança uma casa, o jogador é conduzido a participar da construção desta história, ora complementando o texto, ora validando o conteúdo com a escolha de uma das alternativas.

Além de acumular pontos a cada resposta correta, o jogador pode ganhar pontos extras ao clicar em ícones que revelam curiosidades das figuras históricas daquela época: os protagonistas da história, D. Pedro II e Marechal Deodoro da Fonseca, estavam muito doentes no dia 15 de novembro de 1889. Pior: se dependesse do médico da família Fonseca, Marechal Deodoro não sairia de casa para dar fim à monarquia.

Há também a singular história do cavalo usado pelo Marechal no dia da Proclamação. Depois do grande dia, o pacato animal ganhou aposentadoria do serviço militar e passou o resto dos dias tranquilo e sereno em um estábulo no quartel do Rio de Janeiro. Não à toa o bichinho é considerado o primeiro beneficiário da república brasileira.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.