• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
África Grupo Nzinga realiza projetos educativos em Moçambique Debatendo o contributo da cultura popular na educação formal, o projetos foi um dos aprovados no edital Conexão Brasil África

Publicado em: 07/11/2013 10:58 Atualizado em:

Os mestres de capoeira do grupo Nzinga Brasil - Paulinha, Janja e Piter -  e o mestre de cultura popular maranhense Tião Carvalho estarão em Maputo, Moçambique, entre os dia 5 e 9 de novembro para uma série de atividades que envolvem mesas de debates, formação, oficinas de confecção de instrumentos, danças, aulas de ritmo e movimentação da capoeira angola: Mandinga em Sala de Aula e II Chonga Mandinga.

O projeto Mandinga em Sala de Aula será voltado aos professores e alunos de escolas públicas de Maputo e pretende apresentar novos métodos educativos, além de abordar os impactos da produção, gestão e difusão do ensino baseado nas culturas populares e tradicionais africanas e afro-brasileiras, ainda pouco exploradas nas salas de aula do nosso estado. Serão realizadas mesas de debates, a fim de valorizar a atuação entre áreas do conhecimento como Educação, Cultura e Comunicação, uma vez que ela produz, no ambiente escolar, uma maior aproximação entre a realidade vividas por crianças, jovens e adultos.

Já o evento II Chonga Mandinga será aberto ao público e tem o objetivo de difundir os ensinamentos ancestrais da capoeira angola em Moçambique, onde sua presença tem sido cada vez maior. O evento, já realizado em 2010, reforça a liderança de Maputo e firma a capital de Moçambique como referência na capoeiragem da África Austral. Na ocasião, ocorrerão oficinas de confecção de instrumentos, danças, aulas de canto e movimentação da capoeira angola, ministradas pelos mestres brasileiros Paulinha, Janja, Piter e Tião Carvalho.

O II Chonga Mandinga será uma oportunidade enriquecedora para o intercâmbio cultural entre Brasil e Moçambique, tanto para os mestres brasileiros como para a comunidade participante. As diversas atividades promovidas pelo evento possibilitam aos participantes entrar em contato e aprofundar os conhecimentos sobre a capoeira angola. Esta arte, em franca expansão pelo mundo, busca para além dos treinos e jogos de capoeira, o autoconhecimento e crescimento por meio de experiências coletivas.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.