• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Educação Alunos do Colégio Boa Viagem encenam Jorge Amado Teatro Guararapes recebeu mais de 800 pessoas, no último dia 3 de novembro, para prestigiar a peça %u201CA morte e a morte de Quincas Berro D%u2019Água%u201D.

Publicado em: 07/11/2013 11:46 Atualizado em: 07/11/2013 11:47

Espetáculo baseado na obra de Jorge Amado contou com momentos de humor e de emoção (Colégio Boa Viagem/Divulgação)
Espetáculo baseado na obra de Jorge Amado contou com momentos de humor e de emoção
Um grande espetáculo de arte, interpretação, comédia e exaltação da arte do baiano Jorge Amado. Assim pode ser definida a apresentação de peça “A morte e a morte de Quincas Berro D’Água”, no último domingo (03), pelos alunos do 9º ano do Colégio Boa Viagem, Zona Sul do Recife. O espetáculo fez parte das atividades do encerramento do Ensino Fundamental pelos estudantes, que encantaram mais de 800 familiares e amigos que estiveram presentes no Teatro Guararapes, Centro de Convenções.

O espetáculo teve início com monólogos de apresentação de personagens tradicionais de Jorge Amado, entre eles Dona Flor e seus dois maridos, Gabriela, Tieta do Agreste, Perpétua e Pedro Bala. Após este momento,  o personagem principal, Quincas Berro D’Água, entrou em cena entre a platéia para dar início a sua história.

Guia do seu destino, Quincas abandona seu lar tradicional e passa a viver em um barraco ao lado de amigos de procedência duvidosa. Entre farras e bebidas, Quincas é encontrado morto, deixando seus companheiros e sua amante, Quiterita, arrasados. Após um velório marcado por desavenças entre os amigos e a família do morto, Quincas é sequestrado pelos companheiros para viver a noite de seu aniversário como ele gostaria que fosse se estivesse vivo.  Após uma noite animada, durante um passeio de barco, Quincas cai no mar tempestuoso e “morre” pela segunda vez.

Como é tradicional no texto de Jorge Amado, a peça contou com momentos de riso e emoção, mesclando comédia, drama familiar e abismos sociais. Além do cenário e da bela interpretação dos alunos, o espetáculo teve momentos de apresentações coreografadas, que entravam ao final de cada ato. Foram elas a Dança Espanhola, a Dança das Baianas e a Saída dos Marinheiros.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.