• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Carnaval Salve! Oh terra do Frevo

Por: Gabriel Catunda

Publicado em: 11/09/2013 12:22 Atualizado em: 12/09/2013 11:00

Em 2007, o Frevo completou 100 anos de vida. (Teresa Maia/DP/D.A.Press)
Em 2007, o Frevo completou 100 anos de vida.
Quem não gosta de carnaval? Toda aquela agitação, rebuliço, o sorriso no rosto dos foliões... Imagina tudo isso com muito ritmo, musicalidade e um colorido que salta aos olhos. Claro que estou falando do nosso querido e amado frevo. O ritmo, que não é mais pernambucano, tornou-se brasileiro, patrimônio nacional.

O frevo surgiu no Recife lá pelo final do século 19, mas a primeira referência oficial ao ritmo e à música foi publicada em 1908, na edição do dia 12 de fevereiro, do Jornal Pequeno, um vespertino pernambucano que tinha na época a melhor seção referente ao Carnaval.

Ritmo quente, acelerado, o frevo de rua é o mais popular, que agita o público quando toca a música Vassourinhas. Esse tipo de frevo não tem letra e os instrumentos que predominam são os metálicos. O frevo canção surgiu nas últimas décadas do século 20, valorizando mais a melodia e introduzindo letras. É nesse período que surgem compositores excepcionais como Nelson Ferreira, Capiba e Alex Caldas. Valorizando a letra, também surgiu o frevo de bloco, com destaque para a belíssima Evocação nº 1 de Recife, de Nelson Ferreira.

A dança é muito bonita e animada. As roupas coloridas e a presença marcante da sombrinha dão um charme todo especial. A alegria do frevo é contagiante. Por isso, não podíamos deixar passar em branco esse dia muito especial para o povo pernambucano, e para todos os brasileiros. Afinal, neste sábado (14), é o Dia Nacional do frevo!

Ah, sim! Já estava esquecendo: o dia 9 de fevereiro, também é reservado para o frevo, mas desta vez, apenas no Recife. Eu acho que dois dias só para comemorarmos o frevo é muito pouco. Que tal criarmos o mês do frevo?



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.