• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Inovação Escola de Princesas tem fila de espera para novas alunas

Publicado em: 27/08/2013 11:32 Atualizado em: 27/08/2013 11:55

Uma ideia inovadora realizada pela filha única Nathália de Mesquita, com a ajuda da avó materna que ensinou a garota a fazer tudo em uma casa: organizar o quarto e os objetos pessoais, fazer almoço, lavar roupa, costurar, manter uma geladeira limpa e funcional, entre outras tarefas, e com ajuda de sua mãe Ana de Mesquita que viajava bastante e ensinou à filha lições de boas maneiras à mesa, a apreciar a cultura de outros povos, a gostar de artes e de literatura, fez com que a jovem sonhadora criasse uma Escola de Princesas, em que meninas aprenderiam o mesmo que ela quando criança, ou seja, uma educação para além das convencionais lições de etiqueta.

Depois de muita pesquisa, o aval de consultores de mercado e o apoio do marido e parceiro, ela fundou o negócio na cidade natal, Uberlândia, em janeiro deste ano. Nos seis primeiros meses, mais de 500 alunas passaram pela escola, e há fila de espera para as próximas turmas. Na Escola de Princesas, nome escolhido para alavancar o marketing do negócio e também para encantar o imaginário infantil, há a oferta de vários cursos e/ou módulos, indicados para crianças de 4 anos até adolescentes de 15, em turmas divididas por idades.

Aprendendo cedo

Com instalações que lembram um castelo de conto de fadas, com direito a usar um figurino especial em alguns momentos - vestido e tiara das princesas de histórias da Disney e dos irmãos Grimm –, as alunas mais novas aprendem desde o básico, como escovar os dentes, até ajudar a mãe nas tarefas domésticas. Já as mais crescidas têm até lições de comportamento na internet. “Meu objetivo é ensinar a aluna a ser independente. Quero deixar a vida dela mais fácil, mas também passar algumas dicas e valores”, destaca Nathália.

*Com informações do Estado de Minas

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.