• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Folclore É verdade ou é mentira?

Por: Gabriel Catunda

Publicado em: 12/08/2013 11:49 Atualizado em: 14/08/2013 09:50

Lendas e mitos da cultura popular brasileira, saci-pererê, curupira, boitatá, lobisomem e mula-sem-cabeça… cumadre florzinha também não pode ficar de fora. Tais personagens povoam o imaginário da garotada, ou vai dizer que você nunca ficou com medo de ser enganado por um menino com um gorro vermelho na cabeça no meio da floresta? Ou encontrar com um animal que tem uma enorme fogueira acessa acima do pescoço? O Dia do Folclore é comemorado no próximo dia 22 de agosto. Mas o foco principal é saber se essas lendas foram criadas para assustar, ou apenas ilustrar a realidade. Não podemos afirmar ou desmentir. Cabe a você e a sua imaginação acreditar ou não nas lendas. Ops! Quer dizer, nas histórias. Além disso, todo dia o Diarinho vai trazer essas histórias, para que você esteja por dentro de tudo.

O que é Folclore

Podemos definir o folclore como um conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração para geração. Muitos nascem da pura imaginação das pessoas, principalmente dos moradores das regiões do interior do Brasil. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens importantes ou apenas para assustar as pessoas. O folclore pode ser dividido em lendas e mitos. Muitos deles deram origem à festas populares, que ocorrem pelos quatro cantos do país. As lendas são estórias contadas por pessoas e transmitidas oralmente através dos tempos. Misturam fatos reais e históricos com acontecimentos que são frutos da fantasia. As lendas procuraram dar explicação a acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. Os mitos são narrativas que possuem um forte componente simbólico. Como os povos da antiguidade não conseguiam explicar os fenômenos da natureza, através de explicações científicas, criavam mitos com este objetivo: dar sentido as coisas do mundo.

Saiba mais

Boitatá

Representada por uma cobra de fogo que protege as matas e os animais e tem a capacidade de perseguir e matar aqueles que desrespeitam a natureza. Acredita-se que este mito é de origem indígena e que seja um dos primeiros do folclore brasileiro. Foram encontrados relatos do boitatá em cartas do padre jesuíta José de Anchieta, em 1560. Na região nordeste, o boitatá é conhecido como "fogo que corre".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.