• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Desbravadores Como era uma expedição dos bandeirantes?

Por: Gabriel Catunda

Publicado em: 05/08/2013 10:43 Atualizado em:

O bandeirante de Benedito Calixto: a construção de uma imagem robusta e heróica. (www.brasilescola.com.br)
O bandeirante de Benedito Calixto: a construção de uma imagem robusta e heróica.
Eram viagens arriscadas, e muitas vezes sangrentas, organizadas para explorar o território brasileiro à procura de riquezas minerais, novas terras e escravos. As grandes expedições começaram em 1554, tendo como principal ponto de partida a vila de São Paulo de Piratininga, a atual cidade de São Paulo. A princípio essas viagens eram chamadas de entradas e contavam com financiamento e apoio do governo colonial. Já as bandeiras eram empreendimentos particulares, financiados por fazendeiros ou comerciantes que esperavam lucrar com os resultados da empreitada.

Índios foram as principais vítimas das expedições

As expedições tinham umas 50 pessoas e contavam tanto com homens livres - por exemplo mateiros que conheciam a região a ser explorada - como com escravos negros e índios. Os escravos ficavam com o trabalho duro, como arrastar as canoas fora dos rios. No arsenal dos bandeirantes, a arma principal era o arcabuz, uma espingarda carregada pela boca e que disparava pequenas bolas de ferro ou até mesmo pedregulhos recolhidos pelo caminho. Os homens tinham ainda pistolas, facões, machados e foices. Para comer, os homens caçavam, pescavam e coletavam frutas. Outro item básico era a farinha-de-guerra, feita de mandioca cozida. A comida era preparada em fogueiras, onde os homens se reuniam para comer duas vezes por dia.

Conhecido como "capitão", o líder do grupo recrutava os integrantes e mantinha a disciplina dos homens. Em geral, usava um colete sem mangas feito de couro acolchoado - chamado de estupil - que protegia as costas e o peito de flechas lançadas por índios. Pelo caminho, os bandeirantes encontravam aldeias indígenas. Os desbravadores, heróis para muita gente, não faziam questão de ser simpáticos: aprisionavam e escravizavam índios, que ainda eram obrigados a revelar os locais de minas de metais preciosos.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.