• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Internacional - Liberdade Anistia Internacional critica lei de manifestação em Quebec

Por: Filipe Falcão

Publicado em: 27/05/2012 08:45 Atualizado em:

A Anistia Internacional denunciou, ontem (26), a lei especial aprovada em Quebec para restringir o direito à manifestação, pois vê nela uma violação do direito à liberdade de expressão e reunião. "A Lei 78 é um atentado contra as liberdades fundamentais que supera amplamente os limites do direito provincial, nacional ou internacional relativo aos direitos humanos", disse Javier Zúñiga, conselheiro especial para a Anistia Internacional em um comunicado postado na página da ONG na internet.

"Não é lógico e inaceitável pedir aos cidadãos que se dirijam às autoridades com antecipação cada vez que quiserem exercer um direito fundamental. A Assembleia Nacional de Quebec deve abolir esta lei sem demora", acrescentou o comunicado.
Da mesma forma, a Anistia Internacional destacou sua petição de que se realize uma investigação independente sobre o comportamento das forças de ordem, assim como sobre os distúrbios e atos de vandalismo cometidos por algumas pessoas durante os recentes protestos em Quebec.

Para o governo, esta norma deve assegurar aos estudantes que não aderirem à greve a possibilidade de ter libre acesso às salas de aula, o que os piquetes impedem. No entanto, a lei reduz estritamente a liberdade de reunião, obrigando os manifestantes a comunicar à polícia seu itinerário com oito horas de antecedência, e prevê pesadas multas àqueles que a descumprirem.

Os protestos estudantis na província francófona do Canadá começaram aproximadamente três meses e se desataram por causa do aumento das matrículas universitárias.

Da AFP Paris


©Copyright AFP© | Todos os direitos de reprodução e representação reservados. Clique aqui para maiores informações sobre as limitações e restrições ao uso.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.