relações internacionais Davos dividido

Por: Thales Castro

Publicado em: 23/01/2019 08:01 Atualizado em: 23/01/2019 08:05

Todo mês de janeiro, o mundo aguarda, com elevadas expectativas, as vozes e documentos da fria Davos na Suíça – sede do Fórum Econômico Mundial (FEM). Em pleno inverno nevado do Norte, o mundo debate temas provocadores das Relações Econômicas e Financeiras Internacionais. Esta pequenina cidade no cantão germânico de Grisões acabou virando, mais recentemente, o novo “Oráculo de Delfos” da economia política da globalização e de assuntos relacionados à sociedade e suas representações. 

Enquanto a ONU, em Nova Iorque, representa o grande parlamento multilateral das nações, com ênfase nos seus 193 Estados Membros, o World Economic Forum – sigla inglesa do FEM – é a arena dos interesses que envolvem a esfera público-estatal em consonância com o capital privado e a sociedade civil. Em outras palavras, o Fórum Econômico Mundial antecipa e verbaliza as agendas internacionais ao longo de todo o ano de maneira mais ampliada do que nos organismos internacionais vinculados ao Sistema da ONU. Desta forma, podemos asseverar que o FEM, com um claro viés de direita que combina neoliberalismo com transnacionalidade, ecoa os brados e os interesses das empresas globais, do mercado e da sociedade civil. 

Neste ano de 2019, uma das grandes ênfases temáticas será na globalização 4.0 e nas questões de meio ambiente no contexto da governança econômica global. Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, iniciou o evento anual em 1971 para discutir, sobretudo com o olhar público-privado, áreas de gestão competitiva neste mundo e de cooperação internacional. Embora o presidente Trump tenha decidido não ir a Davos em razão da paralisação orçamentaria (shut down) no embate acirrado entre Democratas e Republicanos no entorno da autorização da construção do Muro entre o México e os EUA, houve a presença marcante dos BRICS, do FMI e de atividades sociais, ambientais e do mundo da tecnologia 4.0 – a nova fronteira da revolução pós-industrial hoje.

E por qual razão afirmamos no título que o FEM em Davos está dividido este ano? Primeiro porque o mundo está, crescentemente, caminhando para novas e profundas fraturas com crises de identidade e de representação (leia- -se efeito Brexit no mundo); segundo, pelo fato de que há parcela desta aldeia global que não apoia e nem partilha os ideais de Davos, entendendo que é uma representação dos ricos, não refletindo a exclusão e as assimetrias socioeconômicas do mundo; e, por fim, há desconfiança nas falas de empresários que, de forma camuflada, poderiam apoiar os ditames da globalização de maneira indiscriminada. Eu, particularmente, discordo, especialmente, desta última razão e não assim vejo o FEM. Pelo contrário: enxergo como importante eixo de diálogo amplo, democrático e participativo, envolvendo as várias dimensões do poder mundial de maneira multifacetada. 

Como o mundo é plural e há forças em prol e contrárias ao FEM e à globalização, o contraponto do FEM começou em Porto Alegre em 2001. O Fórum Social Mundial teve início na capital gaúcha naquele ano e trouxe à tona o viés da esquerda, dos movimentos sociais e das lutas ecologistas, revelando importante fonte de contradição ao grande FEM. Já foram realizados vários destes Fóruns na Índia (FSM de 2004), no Quênia (FSM de 2007), no Senegal (FSM de 2011), na Tunísia (FSM de 2013). Assim, é importante sempre termos contrapontos para evitar a hegemonia do pensamento único que amputa e destrói a ampla democracia global. Assim, o FEM e o FSM poderiam se complementar. 

Uma das falas esperadas neste ano no FEM foi a do recém-empossado presidente Jair Bolsonaro. Esta foi a primeira viagem internacional do novo mandatário. Ele esteve em companhia de Paulo Guedes, Sérgio Moro, do Gen. Heleno (GSI) e do chanceler, Emb. Ernesto Araújo. No discurso curto e objetivo do presidente, pudemos observar três tônicas: a defesa do agronegócio com respeito ao meio ambiente na agenda do comércio exterior; a apresentação, à mídia internacional, do novo Brasil mais à direita nacionalista e liberal; e, finalmente, a defesa do aumento de investimentos estrangeiros diretos para o processo de privatização com segurança jurídica. São tempos de mudança estrutural.

Esperamos, pois, que o calor dos debates na gélida Davos traga derretimento dos ânimos acirrados no fraturado mundo de polaridades não totalmente bem definidas. Talvez estejamos vivendo o início real de um brave new world e, por isso mesmo, o FEM tem muito a nos dizer em termos de debate enriquecedor de ideias – novas e velhas. Portanto, é hora de renovação na área internacional com soluções efetivas, tanto em termos de ideais, quanto de ações efetivas em prol da paz, da segurança e da estabilidade externa.

* Doutor em Ciência Política. Coordenador do Curso de Ciência Política da UNICAP. Cônsul de Malta e Presidente da Sociedade Consular de Pernambuco.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.