Cuidados Distorções visuais e dificuldade de leitura podem ser indícios da síndrome de Irlen Doença atinge de 10% a 15% da população. Diagnóstico costuma ser negligenciado

Por: Estado de Minas

Publicado em: 09/12/2018 11:09 Atualizado em:

A leitura é considerada a habilidade mais complexa exercida pelo cérebro humano, apesar de a maioria das pessoas a virem como uma habilidade natural e automática, porque a realiza sem esforço algum. Entretanto, para muitas crianças e adultos, portadores da síndrome de Irlen (SI), o ato de ler é um pesadelo, realidade para 10% a 15% da população. Ao olhar um texto que se desfoca, fica instável, em movimento, tremendo, embaralha e desaparece, a percepção e o desempenho em uma determinada atividade podem ser cada vez mais difícil, principalmente na fase escolar.

A SI é uma disfunção visuoperceptual relacionada à exposição a certos tipos de iluminação, intensidade e contraste, que leva a dificuldades no processamento das informações visuais pelo cérebro. A síndrome é um dos exemplos de distúrbios visuais caracterizados pelas dificuldades que o cérebro tem em processar a informação visual pelo grande desconforto em lidar com a luz. 

De acordo com Márcia Reis Guimarães, chefe do Departamento de Neurovisão do Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães, a síndrome de Irlen é uma condição bastante diversificada na manifestação de sintomas, fazendo com que apresente quadros de competência de profissionais diversos. “Por serem muito variadas, levam esses pacientes a uma verdadeira peregrinação por diversos especialistas, entre médicos, psiquiatras, psicopedagogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, ortopedistas e neurologistas, sem sucesso no tratamento proposto”, comenta a médica. 

A artista plástica Giuliana Favero, de 47 anos, descobriu que tinha a síndrome por intermédio do filho Max, que também foi diagnosticado com Irlen. Em um dos últimos exames do filho, realizado na capital mineira, por curiosidade, ela começou a experimentar os filtros usados para testes no filho. “Foi aí que me dei conta de que o modo como eu enxergava também não era normal”, lembra-se. 

A artista conta que foi chamada na escola, quando ele estava no 1º ano e falaram que ele deveria ter TDA ou alguma outra disfunção, indicando que procurasse uma neuropsicóloga para fazer uma avaliação. A partir daí, foi um uma longa trajetória entre diagnósticos e médicos, sem nenhum laudo específico. “Procurei uma fonoaudióloga e tive então o laudo de dislexia. A vida dele melhorou muito na escola, mas ainda havia algumas questões que, para mim, não se encaixavam”, relembra. 

Desacreditada do diagnóstico, Giuliana passou a pesquisar sobre o até então diagnóstico dado para o filho. “Entrei para um grupo de dislexia no Facebook, para me aproximar e tentar entender para ajudar melhor o meu filho. No início deste ano, uma pessoa do grupo postou um vídeo falando da síndrome, e os sintomas da criança eram muito parecidos com os do Max”, lembra-se Giuliana. “A pesquisa sobre uma possível causa da dificuldade do filho foi constante, até a descoberta de uma reportagem com a Márcia Guimarães, em que ela relatava com muita propriedade a síndrome de Irlen. Ao terminar de assistir, tinha a certeza de que meu filho tinha Irlen.” 

SINTOMAS 

Mesmo com a síndrome de Irlen muito mais conhecida e repertoriada, seu diagnóstico continua sendo frequentemente negligenciado, o que a transforma em uma “síndrome invisível”, como avalia a médica. A abordagem envolve entrega de questionários para verificação dos sinais e sintomas presentes, anamnese, screening (triagem diagnóstica realizada pelo screener - profissional habilitado para triagem diagnóstica da síndrome de Irlen - para a detecção das distorções perceptuais à leitura), diagnóstico do padrão de leitura e exames oftalmológicos específicos para seleção de filtros espectrais, quando indicados. 

Para o diagnóstico e orientação do tratamento adequado é fundamental a participação do médico oftalmologista, por se tratar de um distúrbio de ordem oftalmológica. “As lentes especiais usadas no tratamento da síndrome são chamadas filtros espectrais e têm por objetivo bloquear comprimentos de ondas específicos, identificados como causadores dos distúrbios visuais de cada paciente, individualmente. O filtro mais comum é o de bloqueio da luz azul, no comprimento de 460-490 nanômetros, disponíveis no mercado desde o fim de 2017.” 

A indicação de filtros espectrais é realizada por profissionais capacitados e certificados em todo o mundo pelo Instituto Irlen, com os seguintes objetivos terapêuticos, de acordo com Márcia Guimarães: “Aumento da velocidade e fluência de leitura; melhora da manutenção da concentração; redução de sintomas físicos como tensão, fadiga, enjoos e dores de cabeça; melhora da orientação espacial na escrita e em atividades esportivas com a bola; melhora da qualidade de vida e sociabilidade pela redução da sintomatologia.”

Uma outra alternativa é o uso de overlays, lâminas espectrais de sobreposição, para leitura em impressos ou sobre tela de computador e tablets, por exemplo, que proporcionam conforto, nitidez e melhora da fluência da leitura e neutralizam as distorções perceptuais no texto lido, o que facilita o reconhecimento e a compreensão das palavras lidas. 

EXPERIÊNCIA 

Giuliana, que mora no Rio de Janeiro, trouxe o filho para consultar em Belo Horizonte. O laudo definitivo apontava a síndrome de Irlen grau moderado, com indicação de óculos. Durante a consulta, o marido da artista plástica ficou curioso e pediu para ver os filtros e Giuliana começou a experimentá-los. “Quando experimentei, exclamei: nossa, que claro! Fiquei em estado de choque! Quase sem acreditar no conforto e em enxergar sem as sombras que sempre acompanharam minha leitura”, lembra-se. Em agosto, retornou a BH para exames com especialista, achando que não tinha Irlen. “Durante os exames, comecei a perceber que realmente tinha alguma coisa. Meu laudo foi síndrome de Irlen grau severo, também com indicação de óculos.” 

Com o diagnóstico, ela começou a perceber indícios da síndrome desde a infância. “Em todas as minhas fotos de criança, estou com o rosto extremante franzido, para me proteger, tinha muito sono, muito mesmo, uma coisa incontrolável. Dormia em sala de aula, em cima dos livros... isso me acompanhou da alfabetização à faculdade. A leitura me dava sempre muito sono, além disso, eu esquecia o texto, mas achava que era desatenta.” 

Giuliana passou a identificar também no filho as características que a acompanharam durante toda a vida. “A escolarização do Max já foi bem mais complicada, ele tem muita dificuldade com a leitura e interpretação, o que atrapalha demais o seu desempenho.” 

Os pais de Giuliana até a levaram a oftalmologistas, mas a única coisa que encontraram foi 0,75 de hipermetropia. Os óculos que usava não faziam diferença alguma. “Meu filho é muito parecido, também ama praia e vive roxo. Acho que é mais fácil observar o outro... então, outra característica que percebia no Max era que parecia que, para ele, a informação chegava com atraso”, comenta. Quando criança, ela diz que enxergava meio sem foco, outras vezes com uma sombra, era como se lá pelas tantas a visão embaralhasse, mas para ela era da hipermetropia. 

ACESSIBILIDADE 

Para maior conforto das pessoas com SI, dispositivos móveis apresentam algumas ferramentas 

iOS 

Em aparelhos com sistema iOS >10 nas configurações de acessibilidade do próprio smartphone é possível encontrar um filtro colorido. Basta entrar em ajustes >geral>acessibilidade>adaptações de tela> filtro de cor (habilitar) e marcar sobreposição de cor. 

Android 

Aparelhos com sistema Android não têm recurso interno, mas é possível baixar alguns aplicativos, como o TintVision ou IRLEN (app pago, des envolvido pelo Irlen Institute). 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.