Saúde Insônia afeta mulheres na menopausa Pesquisas mostraram eficácia de acupuntura, meditação e massagem na diminuição dos sintomas

Por: AE

Publicado em: 22/08/2018 09:23 Atualizado em:

Reposição hormonal e terapia comportamental são as técnicas mais utilizadas, mas, nos últimos anos, o grupo tem avaliado a eficácia das chamadas práticas integrativas. Foto: Reprodução/MaxPixel
Reposição hormonal e terapia comportamental são as técnicas mais utilizadas, mas, nos últimos anos, o grupo tem avaliado a eficácia das chamadas práticas integrativas. Foto: Reprodução/MaxPixel
Desde a chegada da menopausa, a empregada doméstica Maria Vanda Cavalvante Silva, de 51 anos, não sabia mais o que era uma noite bem dormida. Com as intensas ondas de calor, a paulistana acordava a cada meia hora com mal-estar e tinha dificuldades para pegar no sono novamente.

Após meses de martírio, Maria Vanda procurou uma ginecologista especializada em sono da mulher e iniciou terapia de reposição hormonal, o que melhorou os sintomas. Mas a recuperação completa da qualidade do sono só aconteceu quando ela passou a meditar, também por recomendação médica.

"A reposição diminuiu as ondas de calor, mas a meditação me fez prestar mais atenção à minha forma de pensar. Antes eu ficava preocupada com tudo. Hoje, tenho meu ritual de meditar antes de deitar. Voltei a dormir sete horas por noite", conta.

Como ela, 32% das paulistanas têm problemas de insônia, o dobro do índice registrado entre os homens, segundo dados do Instituto do Sono da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), um dos mais renomados do País. Na menopausa, esse porcentual sobe para 60%. Foi pensando nesse enorme contingente de mulheres que pesquisadores do Instituto começaram a estudar a eficácia de diferentes terapias para o problema.

Reposição hormonal e terapia comportamental são as técnicas mais utilizadas, mas, nos últimos anos, o grupo tem avaliado a eficácia das chamadas práticas integrativas, como ioga, meditação e massagem, e obtido bons resultados.

Pesquisadora do Instituto, a ginecologista Helena Hachul apresentou alguns desses resultados na 15.ª edição do Brain Congress, evento sobre cérebro, comportamento e emoções, que este ano foi realizado em Gramado, no fim de junho.

Segundo a cientista, os resultados são importantes principalmente para quem não quer ou não pode fazer terapia de reposição. "Se a insônia começou após a menopausa, a reposição hormonal é a primeira opção, mas há pacientes com contraindicação, como as que tiveram câncer de mama. Então temos de pensar em opções", relata.

Um dos primeiros estudos de Helena que mostrou bons resultados foi o que indicou benefício da isoflavona, fitoterápico derivado da soja que atua como uma terapia hormonal natural. Outras pesquisas do Instituto mostraram eficácia de acupuntura, meditação e massagem. Na mais recente, publicada este ano na revista Menopause, foi visto efeito benéfico de mindfulness e relaxamento na qualidade do sono, redução da insônia, aumento do nível de atenção e redução dos sintomas da menopausa.

Múltiplas causas

Os bons resultados estão relacionados ao fato de o problema ter múltiplas causas. "A menopausa é um momento de mudanças físicas, psicológicas e hormonais. O fator cognitivo/comportamental é muito importante e, por isso, estão inseridas práticas como meditação e relaxamento. Mas não quer dizer que todas vão se beneficiar, pois cada paciente responde de um jeito", diz Luciano Ribeiro, neurologista e coordenador de Medicina do Sono do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.