Natureza Derretimento de gelo na Antártida é três vezes maior do que há duas décadas O derretimento de gelo na Antártida é três vezes maior do que o registrado nas duas décadas anteriores

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 14/06/2018 16:07 Atualizado em: 14/06/2018 16:12

O continente tem 90% do gelo terrestre: a água congelada é suficiente para aumentar o nível do mar em 58 metros. Foto: Arquivo/AFP Photo
O continente tem 90% do gelo terrestre: a água congelada é suficiente para aumentar o nível do mar em 58 metros. Foto: Arquivo/AFP Photo

O continente gelado está derretendo a um ritmo cada vez mais acelerado. Uma série de artigos publicados na edição desta semana da revista Nature revela que, de 2012 a 2017, a Antártida perdeu 219 bilhões de toneladas de gelo por ano, três vezes mais do que o registrado nas duas décadas anteriores, quando o fenômeno ocorria de forma estável, à taxa de 76 bilhões de toneladas anuais. Os dados, obtidos pelas observações de 24 satélites, são, de acordo com pesquisadores das 44 organizações envolvidas, uma indicação direta dos efeitos do aquecimento global.

O derretimento não apenas desnuda a Antártida de sua capa gelada, mas faz aumentar o nível do mar, uma situação que coloca em risco comunidades costeiras, além dos ecossistemas continental e oceânico. Enquanto de 1992 a 2012 a perda de gelo contribuiu para elevação média anual de 0,2mm, entre 2012 e 2017 ela resultou em um volume de água 0,6mm maior por ano. Isso significa que, sozinho, o derretimento no continente tem sido responsável por cerca de 20% do aumento do nível do mar global anual.

Os modelos climáticos estimam que, se esse ritmo for mantido, até o fim do século, cidades inteiras poderão ser engolidas pelos oceanos. O potencial para isso é grande: a Antártida tem água congelada suficiente para elevar o nível do mar em 58m. “Mesmo pequenas alterações no nível do mar vão afetar a vida de cidades costeiras”, alerta Andrew Shepherd, pesquisador da Universidade de Leeds e principal autor de um dos artigos que compõem a série. De acordo com Shepherd, o trabalho publicado na Nature, que contou com a participação de 84 cientistas, é o retrato mais completo da Antártida, e os resultados “têm de ser um motivo de preocupação para governantes em quem confiamos para proteger nossas cidades e comunidades costeiras”.

Pontos críticos

Para chegar a essas conclusões, os cientistas combinaram dados obtidos desde a década de 1990 por 24 diferentes satélites, incluindo da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa). A avaliação das imagens indica que o aumento acelerado do derretimento no continente é particularmente forte na porção ocidental, que passou de uma perda de 53 bilhões de toneladas por ano há duas décadas para 159 bilhões de toneladas anuais desde 2012.

A maior parte do fenômeno localiza-se nos glaciares de Pine Island e de Thwaites, que estão retraindo a um ritmo jamais detectado, devido ao derretimento do Oceano Ártico. Já na porção mais setentrional, o colapso da cobertura gelada da Península Antártida está levando a uma perda de 25 bilhões de toneladas de gelo por ano, desde o início da década de 2000. Apenas o leste do continente permanece estável nos últimos 25 anos.

“As medições coletadas por satélites ao longo dos anos documentaram alterações glaciares por toda a Antártida em um nível incrivelmente preciso. Agora, temos uma compreensão muito detalhada sobre as rápidas mudanças no fluxo de gelo que estão acontecendo no continente e como isso vai aumentar o nível do mar em todo o mundo”, observa Isabella Velicogna, professora da Universidade da Califórnia em Irvine e pesquisadora do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa. “Os dados vistos do alto nos mostram não apenas que o problema existe, mas que está aumentando em severidade ano após ano.”

De alto a baixo

As forças que levam à destruição do continente gelado vêm do alto e das profundezas do globo, alertam pesquisadores do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas e da Universidade de Waterloo, que integraram o grupo de estudos sobre a Antártida. Em um artigo publicado ontem na revista Science Advances, Christine Dow, professora que liderou essa parte do projeto, descreve que o fluxo de água aquecida do oceano nos canais abaixo das banquisas (finas camadas geladas que flutuam no mar) tem reduzido tanto a espessura do gelo que ele está quebrando. A água derretida na superfície, então, entra por essas fraturas, desestabilizando ainda mais as banquisas e aumentando as chances de ocorrerem fragmentações de blocos muito maiores.

Esse mecanismo foi documentado pelos pesquisadores em um evento do tipo ocorrido em 2016. Os cientistas também descobriram fraturas associadas aos canais que ficam por baixo das banquisas e constataram que esse fenômeno está presente em praticamente todos os blocos de gelo flutuantes do continente. De acordo com Dow, são evidências preocupantes porque as banquisas ajudam a controlar a taxa de aumento do nível do mar, ao reduzir o fluxo de gelo no oceano.

“Estamos descobrindo que as banquisas são mais vulneráveis à temperatura atmosférica e ao aumento do nível do mar do que imaginávamos”, afirma Dow. “E temos um processo duplo ocorrendo aqui. Um é a desestabilização por baixo (caso dos canais de água), e o outro de cima (aquecimento da atmosfera). Essa informação pode ter um impacto nas nossas projeções para o colapso das banquisas e, consequentemente, o aumento do nível do mar associados às mudanças climáticas”, alerta. Como o recheio de um sanduíche, entre o oceano e a atmosfera, as banquisas acabam vulneráveis a diversos processos com potencial de comprometê-las, diz a pesquisadora.

Para Martin Siegert, pesquisador do Instituto Grantham de Mudanças Climáticas e Meio Ambiente do Imperial College London, as conclusões tiradas a partir dos dados de satélite são importantes para se tentar evitar um colapso ainda maior. “Algumas das mudanças que a Antártida enfrenta realmente já são irreversíveis, como a perda de algumas das banquisas, mas ainda há muito o que se fazer para recuperar ou como prevenção”, observa. “Para evitar os piores impactos, precisaremos de uma forte cooperação internacional e de regulações efetivas baseadas por ciência rigorosa. Isso dependerá de os governos reconhecerem que a Antártida é intimamente associada ao resto do sistema da Terra, e que danos lá causarão problemas em todos os lugares”, afirma Siegert, que também assina um artigo na série publicada na revista Nature.

Leste mais intacto

Mais de 90% do gelo do continente está na parte leste. Ainda asssim, mesmo tendo registro de formação de gelo nessa zona nos últimos anos, a produção não chega a compensar as perdas gerais. Cercada pelo Oceano Antártico, a Antártida responde por 90% do gelo terrestre e contém a maior reserva de água doce do planeta.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.