• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Pesquisa Contato com ar poluído aumenta o risco de ataque cardíaco, indica estudo Casos de ataque cardíaco chegam a dobrar quando há alteração brusca na composição atmosférica de locais livres de poluição; mudança na concentração de óxido de nitrogênio está ligada ao fenômeno

Por: Sara Sene - Correio Braziliense

Publicado em: 20/03/2018 07:51 Atualizado em:

A pesquisa foi feita em Jena, uma cidade da Alemanha, com dados colhidos ao longo de sete anos: impacto maior nas primeiras 24 horas de contato com o ar sujo. Foto: Tobias Schwarz/AFP (Foto: Tobias Schwarz/AFP)
A pesquisa foi feita em Jena, uma cidade da Alemanha, com dados colhidos ao longo de sete anos: impacto maior nas primeiras 24 horas de contato com o ar sujo. Foto: Tobias Schwarz/AFP


Pesquisadores têm mostrado como os altos índices de poluição atmosférica causam impacto na saúde das populações, incluindo a cardíaca. Um novo estudo divulgado na revista European Journal of Preventive Cardiology, porém, mostra que a preocupação em monitorar a quantidade de partículas que poluem o ar não deve se restringir a países e/ou cidades que enfrentam esse tipo de problema regularmente, como China e Índia. Mesmo em locais com o ambiente mais limpo, o aumento rápido de poluidores, principalmente o de óxido de nitrogênio, chega a dobrar o risco de ocorrência de ataque cardíaco.

Florian Rakers e colegas chegaram às conclusões conduzindo um estudo em Jena, cidade alemã com cerca de 110 mil habitantes e considerada um local com ar limpo. O registro de 693 casos de pacientes diagnosticados com ataque cardíaco e admitidos no Hospital Universitário da cidade entre 2003 e 2010 serviu de ponto de partida para os investigadores. “Comparamos os dados de mudanças na concentração de ozônio, PM10 — partículas inaláveis suspensas no ar — e óxido de nitrogênio no ar pouco antes dos primeiros sintomas de ataque cardíaco de cada paciente com os de mudanças dos mesmos poluentes uma semana antes do ocorrido”, explica Rakers, pesquisador da instituição universitária.

Os resultados mostraram que o aumento de mais de 20 miligramas por metro cúbico de óxido de nitrogênio em 24 horas foi associado ao registro de mais do que o dobro do risco de ocorrência de ataque cardíaco (121%). Quando a taxa chegou a 8 miligramas por metro cúbico, a vulnerabilidade caiu para 73%.  “Esse risco provavelmente não depende apenas de exposição a longo ou a curto prazo em um ambiente com alta concentração dessas partículas, mas também da dinâmica e da extensão de seu crescimento”, pondera Rakers.

As variações repentinas de ozônio e PM10 não foram associadas à complicação cardíaca, muito embora a exposição a altas concentrações de ambos seja prejudicial à saúde humana, podendo causar doenças pulmonares, problemas cardiovasculares e aumento geral da taxa de mortalidade, ressalta o autor. Rakers também destaca que o estudo não buscou identificar as causas que levam ao aumento repentino dos poluentes.

No caso da mudança rápida na concentração de óxido de nitrogênio, porém, ele acredita que o problema possa ocorrer por alterações na intensidade do tráfego de veículos, como em um feriadão ou no começo das férias. Segundo o pesquisador, na União Europeia, os carros a diesel são a maior fonte de óxido de nitrogênio — mais de 50% são gerados pela combustão de combustíveis fósseis. “Os óxidos de nitrogênio são emitidos principalmente pelos transportes, é preciso reduzir o tráfego de carros em nossas cidades”, defende.

Inflamações

Existem mais de uma teoria ou mecanismo que explicam como a poluição atmosférica influencia o infarto cardíaco. Ubiratan de Paula Santos, pneumologista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), explica que, segundo uma delas, o problema ocorre quando o poluente ou a substância química é inalado e entra em contato com os pulmões, causando inflamação. “Assim, a substância é liberada para a corrente sanguínea e torna o sangue mais viscoso, o que aumenta o risco de formação de pequenos trombos, os coágulos, dentro dos vasos sanguíneos. Esses coágulos podem obstruir a veia coronária, aumentando, consequentemente, o risco a infarte cardíaco”, detalha.

Segundo o pneumologista, o aumento da vulnerabilidade visto no estudo ocorre em pessoas que já têm alguma predisposição a problemas cardíacos, mesmo sem ter apresentado sintomas. “Quando essa concentração de poluição piora, o vaso que já era comprometido diminui o calibre da veia coronária, causando o infarto”, exemplifica. Santos diz que o tabagismo e o sedentarismo podem desencadear efeito parecido.

Bruno Ramos Nascimento, cardiologista e professor adjunto da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ressalta que a relação entre a poluição atmosférica e a doença cardiovascular é uma questão multifatorial. “Em regiões urbanas, as pessoas, geralmente, têm menor qualidade de vida, como má alimentação, sedentarismo e poluição. Esses são fatores que contribuem para a doença cardiovascular”, diz.

Para o cardiologista, o estudo americano falhou em não analisar se os pacientes tinham riscos anteriores ao infarto, como o diabetes. A equipe dedicou-se a um estudo retrospectivo, ou seja, focado na análise de dados de pessoas que já tinham infartado, e avaliou as variações de poluição antes do problema de saúde. “Ainda assim, a evidência é forte e está em acordo com as limitações”, ressalta.

A exposição a partículas finas durante a vida fetal foi associada a um córtex mais fino %u2014 a camada externa do cérebro. Foto: AFP (Foto: AFP)
A exposição a partículas finas durante a vida fetal foi associada a um córtex mais fino %u2014 a camada externa do cérebro. Foto: AFP


Parâmetros mundiais

As recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto à qualidade do ar para PM10 e PM2.5, poluentes suspensos no ar que incluem sulfato, nitratos e carbono negro, são: em 24 horas, 25 microgramas por metro cúbico de PM2.5, e 50 microgramas por metro cúbico de PM10. Reduzindo apenas a concentração do PM10 para 20, cerca de 15% das mortes relacionadas à poluição do ar seriam reduzidas, estima a OMS.

Para saber mais
Antes de nascer
Pela primeira vez, uma pesquisa científica mostra a relação entre a exposição à poluição do ar antes do nascimento e a ocorrência de dificuldade de autocontrole, relacionada a comportamentos impulsivos, como vícios e hiperatividade. O trabalho foi conduzido por pesquisadores do Instituto de Saúde Global e do Centro Médico da Universidade Erasmus de Roterdã, na Holanda, e divulgado, neste mês, no jornal Biological Psychiatry.

Os pesquisadores avaliaram os níveis de poluição do ar na casa de 783 gestantes, incluindo níveis de dióxido de nitrogênio e partículas finas. Seis a 10 anos depois do nascimento, as crianças tiveram a morfologia do cérebro avaliada por imagens cerebrais. A exposição a partículas finas durante a vida fetal foi associada a um córtex mais fino — a camada externa do cérebro — em várias áreas de ambos os hemisférios. A mudança, segundo os autores, pode explicar o comprometimento no autocontrole.

Chama a atenção ainda no estudo o fato de 95% das mães das crianças estudadas terem passado a gestação em ambientes com níveis de poluição considerados seguros pela União Europeia. “Portanto, não podemos garantir a segurança dos níveis atuais de poluição do ar em nossas cidades”, disse Mònica Guxens, autora principal do estudo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.