• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
FRANÇA Homem recebe o segundo transplante de face em menos de um ano Esta é a primeira vez que um paciente passa duas vezes pelo procedimento, realizado em um hospital francês. Primeiro rosto transplantado foi rejeitado

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 22/01/2018 21:33 Atualizado em:

 (Hospital Vall d'Hebron/Divulgação)
Pela primeira vez na história, um paciente foi submetido a um segundo transplante de face. A cirurgia, realizada por uma equipe do Hospital Georges Pompidou, na França, foi feita em um homem cuja identidade não foi revelada e ocorreu no último dia 15. 
  
Em nota, autoridades de Saúde Pública de Paris confirmaram o procedimento e explicaram que o homem, na casa dos 40 anos, passou pelo primeiro transplante de face no ano passado, mas seu corpo rejeitou o órgão. Então, os médicos decidiram dar uma nova chance a ele, depois de a família de um francês morto em novembro passado autorizar a doação.

O paciente foi colocado em coma induzido, já sem a face rejeitada, enquanto a equipe médica, chefiada por Laurent Letieri, preparava o procedimento. Ele permaneceu nesse estado por quase dois meses, e os médicos levaram horas para concluir o transplante, iniciado na tarde do dia 15 e terminado na terça-feira 16. Não foi informado o que levou o paciente a necessitar de um transplante de face.

Segundo transplante possível 

"Esse transplante demonstra, pela primeira vez, que o retransplante de enxertos vascularizados é possível no caso de uma rejeição crônica", afirmaram em um comunicado conjunto a Agência de Biomedicina e o Sistema de Hospitais Públicos franceses. "No entanto, esse transplante está sujeito a graves restrições imunológicas, e só o acompanhamento nas próximas semanas mostrará se o procedimento foi bem-sucedido", continua a nota.

Segundo um estudo publicado na revista especializada The Lancet, desde 2005, mais de 30 transplantes de rosto foram realizados ao redor do mundo. Na maioria dos casos, os pacientes sobreviveram, mas há registros de pessoas que morreram justamento por causa das complicações causadas pela rejeição ao órgão.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.