• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Ciência Músculo humano é desenvolvido a partir de células-tronco em laboratório As células-tronco foram convertidas em células musculares esqueléticas, que cresceram e se tornaram um "músculo esquelético humano funcional", informou a equipe na revista científica Nature Communications

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 09/01/2018 22:07 Atualizado em:

A pesquisa foi feita na Duke University, da Carolina do Norte, Estados Unidos. Foto: Facebook/Reprodução (Foto: Facebook/Reprodução)
A pesquisa foi feita na Duke University, da Carolina do Norte, Estados Unidos. Foto: Facebook/Reprodução


Um músculo humano foi desenvolvido a partir de células-tronco em laboratório, em um avanço promissor para os afetados por doenças musculares degenerativas, disseram cientistas nesta terça-feira. 

Os pesquisadores da Universidade Duke, na Carolina do Norte, disseram ter sido os primeiros a conseguir essa façanha usando células de pele ou sangue adultas que foram "reprogramadas" em um estado juvenil e versátil. 

Estas células são chamadas de "células-tronco pluripotentes induzidas" (iPS). Como as células-tronco que ocorrem naturalmente encontradas em embriões, elas podem se tornar qualquer outro tipo de células humanas. 

Nesse caso, as iPS foram convertidas em células musculares esqueléticas, que cresceram e se tornaram um "músculo esquelético humano funcional", informou a equipe na revista científica Nature Communications. 

"Foram necessários anos de tentativa e erro (...) para finalmente produzir músculos humanos funcionais a partir de células-tronco pluripotentes", disse o coautor do estudo Lingjun Rao. 

O tecido se contraiu e reagiu a estímulos externos, como pulsos elétricos ou sinais químicos, disse a equipe. 

Os pesquisadores também implantaram as fibras musculares em camundongos adultos, onde elas sobreviveram e funcionaram durante pelo menos três semanas, embora não fossem "tão fortes" quanto o tecido natural. 

A equipe espera que sua técnica permita que os cientistas desenvolvam "uma quantidade infinita" de músculos funcionais em laboratório para testar medicamento e tratamentos genéticos para doenças musculares degenerativas. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.