• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Problemas cardíacos Cirurgias do coração realizadas pela manhã têm maior risco A pesquisa divulgada pela revista The Lancet, correlaciona o ciclo circadiano e o risco de cirurgias matutinas.

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 26/10/2017 23:12 Atualizado em:

Os riscos decorrentes de cirurgias de coração aberto quase dobram quando a intervenção ocorre pela manhã e não à tarde, revela um estudo publicado nesta sexta-feira pela revista The Lancet.

"A cirurgia cardíaca é segura e com poucas complicações em termos gerais, mas quando olhamos os detalhes, parece que a intervenção durante a tarde confere uma proteção ao coração", destaca o principal autor do estudo, David Montaigne, cardiologista da Universidade de Lille, no norte da França.

O ritmo circadiano é o mecanismo que regula os ciclos de sono e vigília no organismo, influenciando na segregação de hormônios e até na temperatura do corpo. 

Quando este é alterado, de forma reiterada e por longos períodos, pode agravar doenças como depressão e transtorno bipolar, e afetar as funções cognitivas e da memória, revelam vários estudos.

"O momento do dia, pelo relógio biológico e o ritmo circadiano, influencia a reação do paciente a este tipo de operação", disse à AFP o doutor Bart Staels, do Centro Hospitalar Regional Universitário (CHRU) de Lille. "A diferença (de risco) não é desprezível". 

Os pesquisadores analisaram os dados de 600 expedientes de cirurgias para a substituição de válvulas, de manhã e à tarde. 

A análise revelou que os pacientes operados durante a tarde têm um risco duas vezes inferior de apresentar complicações graves após a cirurgia (9,4% contra 18,1%). 

Os pacientes operados entre janeiro de 2009 e dezembro de 2015 foram monitorados durante os 500 dias posteriores a cirurgia e "também houve diferenças a médio e longo prazo", disse Staels. 

Segundo o estudo, esta diferença está ligada à tolerância à isquemia, a privação de oxigênio que sofrem as células cardíacas devido a interrupção do funcionamento do coração durante a cirurgia. 

Pesquisas realizadas com ratos de laboratório revelaram que a proteína Reverb alpha, vinculada aos ritmos biológicos, está mais presente no organismo pela manhã. 

"Se ela é suprimida, durante o período do despertar, a suscetibilidade do animal à isquemia muda", destaca o estudo. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.