• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
MITO? Anestesia peridural não desacelera o parto, diz estudo americano Resultados da pesquisa indicam que, com ou sem a anestesia, a duração do parto é similar: 52 minutos para as mulheres que receberam a peridural e 51 para aquelas que receberam a solução salina, uma diferença de 3,3%

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 10/10/2017 21:33 Atualizado em: 10/10/2017 21:36

 (Reprodução/Internet)
A administração de analgésicos por via peridural não desacelera o trabalho de parto, segundo um estudo americano publicado nesta terça-feira, que desmente uma crença popular.

A pesquisa, publicada pela revista médica Obstetrics and Gynecology, sugere que a prática, habitual nos hospitais, de interromper a peridural ou reduzir seus efeitos no final do trabalho de parto poderia ser "obsoleta e imprudente".

A anestesia peridural, que leva medicamentos às zonas nervosas da coluna vertebral através de um cateter, é amplamente utilizada no mundo todo desde os anos 1970 para reduzir as dores durante o parto.

Para o estudo, 400 mulheres concordaram em receber uma peridural no início do trabalho de parto e depois, eventualmente e sem seu conhecimento, continuar recebendo a anestesia ou passar a receber um placebo.

Nenhum dos participantes no experimento (grávidas, pesquisadores, obstetras e parteiras) sabia o que estava sendo administrado pelo cateter, um método de ensaio conhecido como "duplo-cego", a fim de assegurar a confiabilidade e a imparcialidade do estudo. 

Quanto mais dura o trabalho de parto, mas este apresenta riscos, sobretudo para a saúde do bebê. Para evitar essas complicações, os obstetras com frequência decidem interromper a peridural. 

Os resultados do estudo indicam que, com ou sem a anestesia, a duração do parto é similar: 52 minutos para as mulheres que receberam a peridural e 51 para aquelas que receberam a solução salina, uma diferença de 3,3%.

A peridural também não tem efeitos sobre a saúde ou a posição do bebê ao nascer, a taxa de partos por via natural e qualquer outra medida de bem-estar do recém-nascido, aponta o estudo. 

O estudo precisou ser interrompido em 38 casos (21 com peridural e 17 com placebo) por diversas complicações. 

Como estava previsto, as mulheres que deixaram de receber a peridural tiveram um fim de parto mais doloroso.

"Duas vezes mais mulheres que receberam o placebo relataram menor satisfação com o alívio da dor em comparação com aquelas que receberam o anestésico", disse o autor principal do estudo, Philip Hess, professor da Escola de Medicina de Harvard, pedindo mais pesquisas sobre o assunto. 

"Nós não vimos nenhum efeito negativo, mas a analgesia peridural na segunda etapa do trabalho permanece controversa e merece estudos complementares".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.