• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Estudo Vírus da zika passou a causar microcefalia após sofrer mutação Segundo pesquisadores, alteração no patógeno aconteceu em 2013

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 28/09/2017 19:45 Atualizado em: 28/09/2017 19:54

O zika circula no planeta há décadas, mas só recentemente começou a causar malformações congênitas devido a uma única mutação que o vírus, transmitido por mosquitos, provavelmente sofreu em 2013, disseram pesquisadores nesta quinta-feira. 

O estudo, publicado na revista americana Science, explica pela primeira vez como este vírus antes relativamente inofensivo se transformou em uma ameaça global para a saúde. 

Acredita-se que a mutação em uma de suas proteínas estruturais, chamada pRM, ocorreu antes do surto de 2013 na Polinésia Francesa, destaca o estudo. 

Essa mudança no revestimento protetor do patógeno tornou o zika mais propenso a matar células cerebrais em desenvolvimento em camundongos e em pessoas, em comparação com versões mais antigas do vírus, mostraram experiências. 

A mudança, conhecida como S139N, que envolveu a substituição de um aminoácido serina por um aminoácido arginina, foi uma das "muitas mudanças" que o vírus Zika sofreu em todo o seu genoma entre 2010 e 2016, afirmou o estudo. 

O zika foi detectado pela primeira vez em um macaco em Uganda em 1947. Nas pessoas, era conhecido por causar apenas sintomas leves e passageiros. 

Mas em 2015, o Brasil - o país mais atingido pelo surto - registrou os primeiros casos de bebês nascidos com cabeças de tamanho abaixo da média. Esta condição, conhecida como microcefalia, foi mais tarde relacionada à infecção por zika em grávidas. 

O zika hoje está presente em 84 países. O vírus é contagioso e pode ser transmitido pela picada de um mosquito infectado e, com menos frequência, por contato sexual. 

A Organização Mundial da Saúde declarou o zika uma emergência internacional de saúde pública em fevereiro de 2016, e suspendeu esse status em novembro do mesmo ano. 

O zika é particularmente perigoso para mulheres grávidas, visto que pode causar microcefalia e outras malformações congênitas em fetos, e em adultos aumenta o risco de desenvolver a síndrome de Guillain-Barré.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.