• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Descoberta Pesquisadores chineses desenvolvem papel à prova d'água e fogo Segundo os responsáveis pelo projeto, embora já existam papéis que possam resistir a esses elementos, nenhum deles agrupa as duas características

Publicado em: 26/01/2017 08:41 Atualizado em: 26/01/2017 08:50

O papel começou a ser desenvolvido em 2008, e espera-se que entre no mercado nos próximos três anos. Foto: Instituto de Cerâmica de Xangai/Divulgação
O papel começou a ser desenvolvido em 2008, e espera-se que entre no mercado nos próximos três anos. Foto: Instituto de Cerâmica de Xangai/Divulgação
Um grupo de pesquisadores do Instituto de Cerâmica de Xangai desenvolveu um papel que pode ser lavado sem ter o texto escrito nele danificado e suportar um calor de mais de 200°C. A descoberta foi publicada na revista científica "Journal of the American Chemical Society". Segundo Zhu Yingjie, um dos responsáveis pelo projeto, embora já existam papéis que possam resistir a esses elementos, nenhum deles agrupa as duas características. De acordo com os inventores, a nova função é capaz de repelir não apenas a água, mas também outros líquidos como café, suco ou chá.

O segredo da resistência do papel é a adição de hidroxiapatita - formada por fosfato de cálcio - à mistura que o produz. O elemento é encontrado tanto no esmalte dos dentes dos animais quanto nos ossos. Graças à mistura entre papel e hidroxiapatite, a estrutura do material muda e dá a ele propriedades que permitem repelir os elementos naturais.

O novo papel pode ajudar a preservar documentos importantes durante tragédias naturais."O papel também será útil para preservar documentos importantes por séculos, porque nós não precisaremos nos preocupar se ele será destruído pelo fogo ou água", disse Zhu Yingjie. "Acreditamos que haverá diversos tipos de usos, desde a sua utilização para a caligrafia até a aplicação em outdoors." O papel começou a ser desenvolvido em 2008, e espera-se que entre no mercado nos próximos três anos.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.