• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Tabagismo Uso do cigarro eletrônico preocupa autoridades sanitárias nos EUA Os dispositivos movidos à bateria aquecem um líquido contendo nicotina e o transformam em um vapor a ser inalado

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 08/12/2016 17:49 Atualizado em: 08/12/2016 17:52

O diretor Jan Kounen fuma cigarro eletrônico no Festival de Cinema Internacional de Marrakesh, no dia 5 de dezembro. Foto: AFP FADEL SENNA
O diretor Jan Kounen fuma cigarro eletrônico no Festival de Cinema Internacional de Marrakesh, no dia 5 de dezembro. Foto: AFP FADEL SENNA


O uso de cigarros eletrônicos está se disseminando entre jovens e deve ser considerado "uma questão preocupante à saúde", alertou a US Surgeon General, entidade pertencente ao USPHS, Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos, segundo relatório divulgado nessa quinta-feira (8).

Os dispositivos movidos à bateria aquecem um líquido contendo nicotina e o transformam em um vapor a ser inalado, e alguns especialistas afirmam que com isso uma nova geração de fumantes está se tornando viciada.

Um em cada seis adolescentes americanos do Ensino Médio afirmam ter utilizado o cigarro eletrônico no último mês. 

"O uso desses dispositivos têm aumentado nos últimos anos, com um crescimento de 900% dentre estudantes do Ensino Médio de 2011 a 2015", disse Vivek Murthy, funcionária do US Surgeon General referindo-se ao relatório.

A especialista alertou para os perigos dos cigarros eletrônicos por conter nicotina, substância que pode "causar dependência e prejudicar o desenvolvimento cerebral dos jovens". 

Para os jovens, o uso da nicotina em qualquer forma é perigoso, de acordo com o relatório, que foi escrito e revisado por mais de 150 especialistas. 

O documento também ressaltou que o valor exalado no ar por usuários de cigarros eletrônicos pode expor as outras pessoas a produtos químicos potencialmente nocivos.

"Esses produtos são agora a forma mais comum de uso do tabaco dentre jovens nos EUA, ultrapassando produtos convencionais, incluindo cigarros, charutos, tabaco mastigável, e narguilé", destacou o informe.

Mas Murthy admitiu a existência de "evidências científicas incompletas" em relação aos perigos do cigarro eletrônico. 

"Por exemplo, os efeitos para a saúde e as doses potencialmente nocivas dos ingredientes constitutivos do cigarro eletrônico líquido – incluindo solventes, aromatizantes, e tóxicos – não são completamente entendidos", disse. 

Ele defende regulamentações federais mais duras, aumentando a idade mínima para a compra, e campanhas na mídia para educar o público.  

Especialistas britânicos interpretaram a iniciativa americana de desestímulo ao uso de cigarros eletrônicos como uma ameaça, uma vez que os dispositivos ajudariam os fumantes em sua transição até conseguirem parar de fumar. 

"Nossa conclusão é de que o dispositivo gera um pequeno risco de vício, conclusão reiterada pelo Royal College of Physicians este ano", afirma Kevin Fenton, diretor nacional de saúde e bem-estar no sistema de saúde público da Inglaterra.

Len Horovitz, especialista pulmonar no Lenox Hill Hospital em Nova York, compartilha da opinião da US Surgeon General, ao afirmar que "a porta de entrada para o cigarro tradicional ainda será o cigarro eletrônico, e não há um nível seguro para o fumante tradicional", afirma.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.