• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Complicações Infecção por Zika causa glaucoma em bebês, indica estudo Criança de 3 meses nasce em Salvador com doença visual que pode levar à cegueira. Caso inédito descoberto por cientistas brasileiros reforça a necessidade de intervenções imediatas contra o vírus

Por: Carmen Souza - Correio Braziliense

Publicado em: 01/12/2016 08:04 Atualizado em: 01/12/2016 08:08

Enfermidade é caracterizada pelo aumento da pressão intraocular, que provoca danos irreversíveis ao nervo óptico. Foto: João Carlos Lacerda/Divulgação
Enfermidade é caracterizada pelo aumento da pressão intraocular, que provoca danos irreversíveis ao nervo óptico. Foto: João Carlos Lacerda/Divulgação

A infecção que, há mais de um ano, traz novos cuidados à rotina dos brasileiros também não para de alterar práticas médicas e científicas. Complicações atreladas ao vírus zika são detectadas regularmente, desafiando e impressionando especialistas pelos estragos provocados em filhos de mulheres infectadas principalmente no início da gestação. A nova ameaça está relacionada à habilidade visual. Segundo um estudo publicado ontem na revista Ophthalmology, da Academia Americana de Oftalmologia, o micro-organismo pode provocar o glaucoma congênito, doença responsável por, em média, 20% dos casos de cegueira infantil.

“Já se sabia dos impactos do  vírus zika na retina, mas é a primeira vez que detectamos um problema na parte da frente dos olhos. Percebemos outras alterações que podem levar à cegueira e divulgaremos nos próximos meses, mas decidimos alertar sobre o glaucoma até pela urgência da intervenção”, diz Rubens Belfort Jr., professor do Departamento de Oftalmologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp) e integrante do estudo. A pesquisa também contou com a participação de estudiosos do Hospital Roberto Santos (Bahia), da Universidade de Yale (Estados Unidos) e dos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Evandro Chagas.

A equipe de pesquisadores estuda, desde dezembro, os efeitos da síndrome da zika congênita em crianças do Recife e da Bahia. O caso de glaucoma congênito foi detectado em um bebê de 3 meses nascido em Salvador, com sorologia positiva para o vírus zika e negativa para dengue. A criança tinha um aumento do globo ocular direito associado à fotofobia, uma forte sensibilidade à luz, um dos sintomas mais característicos do glaucoma. Também apresentava lacrimejamento persistente, outro sinal da doença.

Exames oftalmológicos cravaram o diagnóstico: havia um aumento do diâmetro da córnea do olho direito, que tinha uma pressão intraocular de 30 mmHg, mais que o dobro da aferida no olho esquerdo (14 mmHg), com características dentro dos padrões de normalidade. A córnea do olho com problema também tinha um aspecto azulado, complicação popularmente chamada de olhos de jabuticaba. Isso ocorre devido ao edema provocado pelo aumento da pressão intraocular, dando a impressão de que a córnea aumentou de tamanho, dificultando a observação da pupila e da íris.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.