• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Estudo Cientistas recuperam o movimento da perna de macacos Implantes eletrônicos no cérebro e na espinha dos macacos reverteram paraplegia causada por lesão na medula

Por: Vilhena Soares - Correio Braziliense

Publicado em: 09/11/2016 23:42 Atualizado em: 09/11/2016 23:13

Marco Capogrosso, pesquisador do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (EPFL), mostra o chip implantado no cérebro dos macacos. Foto: EPFL/Divulgação
Marco Capogrosso, pesquisador do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (EPFL), mostra o chip implantado no cérebro dos macacos. Foto: EPFL/Divulgação

O sonho de recuperar movimentos perdidos está mais perto de se tornar realidade. Um estudo publicado nesta quarta-feira (9/11) pela revista britânica Nature apresenta uma interface cerebral desenvolvida por cientistas suíços que recuperou a locomoção da perna de macacos que tiveram a medula espinhal lesionada.

O feito foi alcançado graças a implantes eletrônicos que imitam a comunicação natural que existe entre o cérebro e os membros em organismos saudáveis.

A tecnologia é composta por dois dispositivos. Um fica no cérebro do animal, mais especificamente no córtex motor, responsável pelo controle dos movimentos. O que esse mecanismo capta é interpretado por um computador, que interpreta o desejo do macaco — flexionar ou estender a perna, por exemplo.

Comunicação restabelecida

Depois, o computador envia um comando para um segundo dispositivo, implantado perto da lesão na medula. Essa segunda peça estimula o movimento.

Ao Correio, Marco Capogrosso, um dos autores do estudo e pesquisador do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (EPFL), explicou que essa é a primeira vez que uma tecnologia do tipo alcança um resultado tão bom.

No entanto, ainda é cedo para dizer quando a mesma técnica poderá ser usada em pessoas. Os experimentos, porém, devem começar logo. “O próximo passo é testar nossos protocolos de estimulação da medula espinhal em pacientes humanos", disse Capogrosso.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.