• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Estudo Pesquisa diz que embalagens plásticas podem trazer doenças A contaminação também aumenta o risco de problemas neurológicos, infertilidade masculina obesidade, diabetes, alguns tipos de câncer, entre outras enfermidades

Publicado em: 19/10/2016 10:28 Atualizado em: 19/10/2016 10:31

Todas as doenças ligadas aos compostos químicos citados no estudo custam mais de mais de US$ 340 bilhões em tratamentos nos Estados Unidos. Foto: Reciclado Creativo/Flickr/Reprodução
Todas as doenças ligadas aos compostos químicos citados no estudo custam mais de mais de US$ 340 bilhões em tratamentos nos Estados Unidos. Foto: Reciclado Creativo/Flickr/Reprodução

A revista médica The Lancet Diabetes & Endocrinology publicou um estudo que determina uma relação entre o uso de vários tipos de embalagens – sobretudo as plásticas – e o desenvolvimento de vários problemas de saúde.

Segundo os pesquisadores da NYU Langone Medical Center, é comum encontrar compostos químicos perigosos em embalagens de alimentos feitas de plástico e metal (como produtos em conserva enlatados), garrafas de detergente, brinquedos, cosméticos e pesticidas. Esses compostos atuam interferindo com a produção natural de hormônios no sistema endócrino.

Após três anos de pesquisa, os cientistas perceberam que a contaminação também aumenta o risco de problemas neurológicos, infertilidade masculina, problemas de saúde no nascimento, endometriose, obesidade, diabetes, alguns tipos de câncer e até mesmo causar uma baixa no Q.I. Todas as doenças ligadas aos compostos químicos citados no estudo custam mais de mais de US$ 340 bilhões em tratamentos nos Estados Unidos, anualmente.

No estudo, a equipe da NYU Langone analisou amostras de urina e sangue de participantes da National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES). Desde 1999, a NHANES reúne informações sobre fatores de risco de doenças sérias pesquisando cerca de 5 mil voluntários por ano.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.