• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Achado Novo planeta extrassolar na órbita de duas estrelas é descoberto Objeto com "duplo pôr-do-sol" lembra o fictício Tatooine, de "Guerra nas Estrelas"

Publicado em: 11/08/2015 09:24 Atualizado em:

Novo planeta é um "gigante gasoso". Foto: NASA/Centro de Pesquisas Ames/Missão Kepler/Reprodução
Novo planeta é um "gigante gasoso". Foto: NASA/Centro de Pesquisas Ames/Missão Kepler/Reprodução

O observatório espacial Kepler, da Agência Espacial Norte-Americana (NASA), anunciou a descoberta de mais um planeta extrassolar na órbita de um sistema binário (ou seja, com duas estrelas). Batizado de Kepler 453 b, ele é o décimo objeto do tipo encontrado pelo método conhecido como “de trânsito”.

O observatório espacial conta com um fotômetro hipersensível capaz de detectar as mínimas variações no brilho das estrelas causadas pela passagem de um planeta entre elas e a Terra, fenômeno astrológico conhecido como “trânsito”. No caso do Kepler 453 b, sua órbita excêntrica faz com que ele seja visível nesses casos em apenas 9% das vezes. 

O professor de astronomia na Universidade Estadual de San Diego e líder do estudo, William Welsh, descreveu a detecção do novo planeta como “um golpe de sorte”. Segundo os pesquisadores, para cada objeto do tipo encontrado, há até outros 11 que não se pode ver. O Kepler 453 b é o terceiro sistema achado na chamada zona habitável de seu sistema estelar, nem perto nem longe demais de suas estrelas mães. Em teoria, a temperatura possibilitaria a existência de água líquida em sua superfície, essencial para o desenvolvimento das formas de vida conhecidas.

O exoplaneta tem um diâmetro calculado em cerca de 6,2 vezes o da Terra e uma massa estimada em 16 vezes a do nosso planeta. O Kepler 453 b está localizado a cerca de1,4 mil anos-luz de distância. A maior de suas estrelas se assemelha ao Sol, enquanto a menor é muito mais fria e menos brilhante. O novo sistema leva 240 dias para completar uma órbita em torno das duas, enquanto as estrelas orbitam uma a outra num período de 27 dias.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.