feminicídio Oito casos de feminicídio ou tentativa são registados em 5 dias de folia

Por: Marília Sena

Publicado em: 07/03/2019 08:04 Atualizado em: 07/03/2019 08:17

Jane Cherubim. Foto: Reprodução/Rede Social
Jane Cherubim. Foto: Reprodução/Rede Social

Em alguns estados, as campanhas de conscientização sobre a violência contra a mulher no carnaval de 2019 não surtiram efeito. Ao menos oito casos de feminicídio ou tentativas foram registrados no Brasil durante a festa de Momo e na quarta-feira de cinzas. Os dados oficiais serão divulgados hoje, segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

No Espírito Santo, houve dois crimes. No sábado, Maikelly Rodrigues da Silva, 28 anos, foi assassinada com cinco tiros em Serra. O corpo da jovem foi encontrado por pescadores próximo à Lagoa Juara. Estava nu e com as mãos amarradas. A polícia não tem pistas sobre o assassino. Na terça-feira, em Dores do Rio Preto, Jane Cherubim, 36, foi brutalmente espancada pelo namorado, Jonas Guimarães Amaral Neto, 34. O homem teria cometido as agressões em meio a uma crise de ciúmes.

No Espírito Santo, Jane Cherubim foi brutalmente espancada pelo namorado e abandonada numa estrada. Foto: Reprodução/Rede Social e Polícia Militar
No Espírito Santo, Jane Cherubim foi brutalmente espancada pelo namorado e abandonada numa estrada. Foto: Reprodução/Rede Social e Polícia Militar


Segundo as investigações, Jane saiu por volta das 3h da cervejaria da família dela, onde trabalhava, com Jonas. Ela foi encontrada horas depois pelos irmãos numa estrada que dá acesso ao Parque Nacional do Caparaó, na divisa com Minas Gerais. Estava seminua, desmaiada e com sinais de tortura pelo corpo todo. Internada em um hospital mineiro, não fala nem enxerga.

Anderson Dornelles é suspeito de matar a namorada, Thais Andrade. Foto: Arquivo pessoal
Anderson Dornelles é suspeito de matar a namorada, Thais Andrade. Foto: Arquivo pessoal


Em Borborema, no interior de São Paulo, Anderson Dornelles, 25, está preso suspeito de matar estrangulada a namorada Thais Andrade, 29, na terça-feira. Segundo parentes, os dois discutiram após voltarem de uma festa de carnaval.

Também na terça, no município de Toledo, interior do Paraná, um policial aposentado matou a mulher com oito tiros e depois cometeu suicídio. Jean Carlos Ferreira da Costa (idade não divulgada) e Débora Karen de Jesus, 30, estavam em casa quando os vizinhos disseram ter escutado tiros e chamaram a polícia. O crime foi na frente da filha de Jean Carlos, de 6 anos. A menina foi entregue aos cuidados da mãe.

Em Fortaleza, um policial militar atirou na mulher dentro de casa, na segunda-feira. As identidades dos dois não foram divulgadas. A vítima foi levada para o hospital com um ferimento grave no ouvido. O autor do crime se apresentou à polícia do estado e responderá ao processo em liberdade.

Na cidade de Barra Mansa, no Rio de Janeiro, uma grávida morreu durante uma cesárea de urgência, feita após ela ser espancada. Maria Edjane Lima, 35 anos, deu entrada no hospital na tarde de segunda-feira, com sangramento vaginal e se queixando que havia sido agredida pelo ex-companheiro. O bebê, com seis meses de gestação, está na UTI.

Em Belo Horizonte, duas mulheres, ainda não identificadas, morreram na noite de terça-feira na Praça da Estação. Uma foi vítima de esfaqueamento e a outra, estrangulamento. Nenhuma das duas portava documentos de identificação.

Políticas públicas 
Para a professora Janaína Penalva, da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB), os casos de feminicídio são a ponta do iceberg dos problemas de violência contra a mulher. Segundo ela, ainda faltam políticas públicas para que a situação melhore.

Na avaliação da especialista, as campanhas contra o assédio e contra o feminicídio em geral, principalmente no carnaval, são feitas, na maioria das vezes, por grupos de mulheres que abraçam a causa. As campanhas do governo federal, ressaltou ela, são insuficientes. “Falta um posicionamento oficial a favor do direito das mulheres. A violência contra a mulher é menosprezada neste governo”, criticou.

Violência
Resultado do levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pelo Instituto DataFolha. Pesquisa, com 2.073 pessoas, foi realizada em 2018 

  • 42% das mulheres entrevistadas afirmaram ter sofrido violência em casa

  • 59% da população afirma ter visto uma mulher sendo agredida fisica ou verbalmente no último ano

  • 28% viram homens humilhando, xingando ou ameaçando namoradas ou ex-namoradas, mulheres ou ex-mulheres, companheiras ou ex-companheiras

  • 28% viram mulheres que residem em sua vizinhança sendo agredidas por maridos, companheiros, namorados ou ex-maridos, ex-companheiros, ex-namorados

  • 20% viram meninas, moças ou mulheres adultas que residem na sua vizinhança sendo agredidas por parentes como pai, padrasto, irmão, tio, cunhado, avô etc.

  • 76,4% das mulheres que sofreram violência afirmam que o agressor era alguém conhecido

Estupros
Casos de estupro também foram registrados durante os dias de festa. Segundo a Secretaria de Políticas para Mulheres (SMP) de Salvador, ocorreram seis casos de abuso sexual. Em Belo Horizonte, na Praça da Estação, pelo menos quatro mulheres foram estupradas, segundo a polícia mineira.

Canais de denúncias
A denúncia de violência contra a mulher pode ser feita em delegacias e órgãos especializados. Já o Ligue 180, central de atendimento à mulher, funciona 24 horas por dia, é gratuito e confidencial. O canal recebe as denúncias e esclarece dúvidas sobre os diferentes tipos de violência aos quais as mulheres estão sujeitas. As manifestações também são recebidas por e-mail, no endereço ligue180@spm.gov.br. Mesmo se a vítima não registrar ocorrência, vizinhos, amigos, parentes ou desconhecidos podem utilizar o Ligue 180 ou irem a uma delegacia para denunciar uma agressão que tenham presenciado. Após mudanças recentes na legislação, a investigação não pode mais ser interrompida, ainda que a vítima desista da ação.

536 agredidas a cada hora
De acordo com dados do estudo Visível e Invisível — A vitimização de mulheres no Brasil — 2ª Edição, realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública com o Instituto Datafolha, 536 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora no último ano, isto é, 4,7 milhões de mulheres durante 2018. Na pesquisa, 42% das entrevistadas afirmaram terem sofrido violência em casa.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.