brumadinho Moradores de Córrego do Feijão procuram postos de saúde para se vacinar

Por: Guilherme Paranaiba -

Publicado em: 06/02/2019 09:46 Atualizado em:

Situação de emergência vivenciada pelo rompimento da barragem, em 25 de janeiro, exige a imunização o mais rápido possível. Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
Situação de emergência vivenciada pelo rompimento da barragem, em 25 de janeiro, exige a imunização o mais rápido possível. Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press
Moradores de Córrego do Feijão, distrito de Brumadinho, na Grande BH, onde está localizada a barragem da Vale que se rompeu em 25 de janeiro, procuram a unidade básica de saúde da comunidade para atualizar os cartões de vacina. Segundo técnicos envolvidos na aplicação das doses, cerca de 180 pessoas já procuraram a unidade para tomar as vacinas disponíveis desde segunda-feira.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, há uma recomendação para que as pessoas procurem a unidade para seguir o calendário nacional de vacinação. A situação de emergência vivenciada pelo rompimento da barragem exige a imunização o mais rápido possível, segundo a pasta.

No posto de Córrego do Feijão, a população encontra doses contra Hepatite B, tétano, febre amarela e triviral, além da imunização também contra Hepatite A, que não é ofertada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) normalmente. De acordo com a médica voluntária Janaína Santos, que faz parte da Rede de Médicos Populares de Belo Horizonte, também há uma equipe fazendo busca ativa nas casas dos moradores para garantir a atualização dos cartões.

Uma das pessoas que procurou se imunizar na manhã desta quarta-feira é a auxiliar de serviços gerais Joana Dark Pinto, de 58 anos. “Eu entrei na lama para procurar minha filha e meu neto e por isso fiquei preocupada com alguma chance de contaminação”, diz ela, que conseguiu encontrar filha e neto com vida e recebeu vacina contra Hepatite A. Outra que também se vacinou foi a doméstica Ana Maria dos Santos, 64, que tomou doses para se prevenir do tétano e também da Hepatite A. “Muito triste essa situação, porque além de tudo ainda traz risco de contaminar a população por causa dessa lama”, afirma.

Outra medida de saúde que tem sido desenvolvida em Córrego do Feijão é aplicação do fumacê para eliminar mosquitos que possam transmitir doenças infecciosas, como dengue e febre amarela. Uma caminhonete passa pelas ruas da comunidade aplicando o inseticida.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.