Mina do Feijão 'Continuaremos incansavelmente a realizar buscas' afirma porta-voz do Corpo de Bombeiros

Por: Déborah Lima

Por: Estado de Minas

Publicado em: 01/02/2019 15:15 Atualizado em:

Foto: Gladyston Rodrigues/ EM/ D.A press
Foto: Gladyston Rodrigues/ EM/ D.A press
No início da tarde desta sexta-feira (1º), sete dias após o rompimento de barragem da Mina Córrego do Feijão, foi realizada uma homenagem às vítimas da tragédia no povoado de mesmo nome, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Oito helicópteros despejaram pétalas de flores sobre a área atingida pela lama.

Após o momento de respeito e solidariedade, autoridades concederam uma coletiva de imprensa no local. O chefe do Estado-Maior do Corpo de Bombeiros afirmou que é impossível estabelecer data final para as operações. “O Corpo de Bombeiros em hipótese alguma descarta possibilidade de encontrar vidas. Vamos sempre em busca de vidas, bens e materiais”, disse o coronel Erlon Dias do Nascimento Botelho.

Novos equipamentos começaram a ser utilizados nas buscas desta sexta-feira. “Os equipamentos de tração anfíbia foram aplicados aqui porque conseguem se deslocar na lama sem afundar, podendo levar um contingente de tropa a lugares que antes eram inacessíveis”, explica o tenente Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros.

Aihara também contou que os vídeos das câmeras de segurança divulgados nesta sexta-feira ajudam os militares a fazerem estatísticas de possíveis lugares com vítimas. “As equipes continuam em campo. Continuaremos incansavelmente a realizar essas buscas”, completou.

Segurança 
O porta-voz da Polícia Militar, major Santiago, informou que a corporação percorreu por 400m², envolvendo policiais especializados em patrulhamento da área rural, para ajudar em buscas e bloquear a passagem de familiares para as “zonas quentes”, onde possui difícil acesso. “Conseguimos varrer 400km². Infelizmente não achamos sobreviventes”, disse.

Santiago ainda esclareceu que não foi realizado nenhum saque em casas ou comércios cidade. “Prendemos duas pessoas tentando saquear, e acreditamos que o grande efetivo aqui manterá as condições incólumes do patrimônio das pessoas que porventura deixaram a região de Brumadinho no intento de se defenderem de quaisquer problemas”, completou.

O delegado de Polícia Civil Arlen Bahia informou que a expedição de carteiras de identidade, que estava agendada para amanhã, será adiada para o domingo “por razões técnicas”. Cinco sobreviventes já prestaram depoimento na delegacia para ajudar a identificar as causas do rompimento. “O conteúdo dos depoimentos não posso revelar para não atrapalhar as investigações”, disse o delegado.
 
Papel da Vale
De acordo com o Tenente Coronel da Defesa Civil, a Vale, empresa responsável pela mina do Córrego do Feijão, está providenciando equipamentos necessários para as buscas. “Quando nós necessitamos de algum aparelho e tecnologia, a própria Vale é demandada para que essa tecnologia apareça no ambiente para que o bombeiro possa operar. Essas demandas apresentadas, a Vale de prontamente tem oferecido para que os bombeiros possam realizar suas as atividades”, afirmou Flávio Godinho.

Números
Os números oficiais divulgados ontem a noite ainda não foram atualizados. Até o momento, as autoridades que atuam no resgate em Brumadinho confirmaram a morte de 110 pessoas, sendo 71 delas identificadas. Outras 238 continuam desaparecidas.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.