Fenômeno 'Fiquei espantado', diz menino que gravou chuva de aranhas em Minas

Por: Déborah Lima

Por: Estado de Minas

Publicado em: 10/01/2019 17:10 Atualizado em: 10/01/2019 17:19

Foto: Reprodução/ Facebook
Foto: Reprodução/ Facebook
O menino de 13 anos, que filmou a "chuva de aranhas" em Espírito Santo do Dourado, no Sul de Minas, disse que ficou espantado com a quantidade de aracnídeos que encontrou no caminho do sítio dos avós. No vídeo registrado por João Pedro Martinelli Fonseca, é possível ver várias aranhas suspensas em uma teia gigante sobre as árvores. Confira o vídeo:



O adolescente estava com os avós e a irmã mais nova dentro do carro, quando ele avisou "um monte de pontinhos pretos no céu" e pediu para chegar mais perto. "Fiquei muito espantado e assustado, mas peguei meu celular e gravei", conta o menino, que não gosta muito de aranhas. Ele contou ainda que estava com a janela do carro aberta, quando uma aranha caiu bem próximo dele. Com medo, ele fechou o vidro e gravou as imagens.

Ele ainda teria ficado surpreso pela repercussão do vídeo. "Enviei o vídeo pra minha mãe, ela postou no Facebook e repercutiu bastante, nunca imaginei. Tinha um monte de gente compartilhando", disse João Pedro.  

O pai do menino contou que a família nunca tinha visto o fenômeno antes. Segundo ele, a quantidade de aranhas era maior do que o vídeo mostra. Para ele, o cenário era assustador, principalmente porque as aranhas eram grandes.

Explicação
Para esclarecer o fenômeno, a bióloga Luana Silveira da Rocha Nowicki Varela, do Serviço de Proteômica e Aracnídeos da Fundação Ezequiel Dias (Funed), explicou que a "chuva de aranhas" é bastante comum nessa época do ano, quando há um aumento da temperatura e umidade.

De acordo com ela, as aranhas fazem suas teias em cima de árvores, bordas de mata e arbustos. Durante o dia, elas recolhem a teia, mas ficam agrupadas no ninho. Já a partir do final da tarde, elas aparecem e armam suas finas teias, que podem se estender por longas distâncias. O fenômeno, geralmente, ocorre no cerrado e nas matas.

Precauções
Luciana Varela alerta para os cuidados que se deve tomar ao se deparar com o fenômeno. "As pessoas devem apenas apreciar a  chuva; não matar ou atear fogo nelas. No entanto, apesar do susto, não há motivo para preocupação, já que o veneno não é considerado de importância média e não há registros de intoxicação humana por causa do veneno dessas aranhas", conclui.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.