caso joão de deus MP do Rio ouve mais uma mulher que se diz vítima de João de Deus Cinco delas já detalharam os abusos à promotoria fluminense

Por: Agência Brasil

Publicado em: 27/12/2018 08:29 Atualizado em:

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
A coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais do Ministério Público do Rio de Janeiro (CAO Criminal do MPRJ), a promotora de Justiça Somaine Cerruti, vai ouvir até sexta-feira (28/12) mais uma mulher que acusa o médium goiano João Teixeira de Faria, o João de Deus, de crime sexual. O ato teria ocorrido durante atendimento no centro espírita Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO).

Segundo a promotora, na semana passada, foram ouvidas quatro mulheres na sede do MP no centro do Rio e uma outra no município de Angra dos Reis, na costa verde do estado. Somaine Cerruti acrescentou que o MP do Rio colocou toda estrutura à disposição das vítimas que moram no estado, mesmo fora da capital. Há ainda uma mulher do Rio de Janeiro, que está morando fora do país. Ela se comunicou com o MPRJ informando que gostaria de prestar depoimento, e o caso foi encaminhado para o Ministério Público de Goiás, que organizou uma estrutura de depoimentos por vídeo conferência.

Como os fatos ocorreram em Goiás, os processos têm de tramitar lá, mas, com o volume de enorme de denúncias, as unidades do MP nos estados estão fazendo força-tarefa para ouvir as vítimas em seus territórios.

“Não cabe ao Ministério Público do Rio de Janeiro ouvir vítimas e abrir investigação em um fato que se deu em Goiás. A gente está atendendo a um pedido feito pelo Ministério Público de Goiás e encaminhando esses depoimentos para que eles possam prosseguir com a investigação ou dar entrada direta com uma ação penal dependendo do que eles acharem que precisam lá”, explicou a promotora em entrevista à Agência Brasil.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.