Suzane von Richthofen e Anna Jatobá deixam prisão em Saidão de Natal A primeira foi condenada por matar os pais, em 2002, e a segunda, pela morte da enteada, em 2008

Por: Agência Estado

Publicado em: 22/12/2018 13:14 Atualizado em:

Anna Carolina Jatobá e Suzane von Richthofen. Fotos: Tuca Vieira/Folha Imagem e Raimundo Pacco/Folha Imagem
Anna Carolina Jatobá e Suzane von Richthofen. Fotos: Tuca Vieira/Folha Imagem e Raimundo Pacco/Folha Imagem

Condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais, em 2002, a presa Suzane von Richthofen deixou a penitenciária feminina de Tremembé (SP), na manhã deste sábado (22) para passar o Natal em liberdade. 

Outra detenta famosa, Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos e oito meses de cadeia pela morte da enteada Isabela Nardoni, também foi beneficiada com a saída temporária correspondente ao indulto de final de ano. 

Em setembro deste ano, a justiça negou o pedido de Suzane para que pudesse cumprir o restante da pena em liberdade. A decisão foi dada pela juíza Vânia Regina Gonçalves da Cunha, da Vara de Execuções Criminais de Taubaté. A magistrada levou em conta parecer do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) de que a presa ainda não reúne condições para voltar ao convívio social. A Defensoria Pública, que atende Suzane, vai entrar com recurso no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Suzane já cumpriu mais de 15 anos de prisão e, desde 2015, está no regime semiaberto da Penitenciária Feminina de Tremembé. Nesse regime, ela tem a possibilidade de trabalhar e estudar fora da prisão, o que ainda não acontece porque a detenta aceitou trabalho no interior da unidade.

No caso de Anna Carolina, seu advogado também pediu a progressão de regime, alegando que ela já ficou o tempo legal na prisão e pode cumprir em casa o restante da pena. A presa foi condenada, juntamente com o marido, Alexandre Nardoni, pela morte de Isabela, jogada do sexto andar do prédio onde moravam, na zona norte de São Paulo, em março de 2008.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.