erro médico Preso médico acusado de deformar 15 pacientes só no Distrito Federal Polícia Civil prendeu o médico Wesley Murakami, acusado de deformar pacientes após procedimentos estéticos no DF e em Goiás

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 21/12/2018 09:46 Atualizado em:

Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Policiais civis do Distrito Federal prenderam, na manhã desta sexta-feira (21/12), o médico Wesley Murakami, acusado de deformar pelo menos 15 pacientes do Distrito Federal, com a realização de procedimentos estéticos. Ele e a mãe dele, que administrava uma das clínicas, foram detidos em Goiânia. E uma outra mulher, responsável pela unidade de Brasíia, também foi presa. 
 
Foram cumpridos cinco mandados de busca, sendo apreendidos diversos materiais entre medicamentos, prontuários e computadores. A ação recebeu o nome de Operação Dismorfia, em razão de procedimentos realizados pelo médico que acarretaram em deformidades em 15 pacientes no DF. A operação foi desencadeada por policiais da Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (CORF/PCDF). 

Esta semana, o Conselho Regional de Medicina do DF convocou os jornalistas para anunciar que o registro do médico está suspenso temporariamente. De acordo com o conselho,  o médico foi "interditado cautelarmente" e, por isso, não pode exercer a medicina até a decisão de mérito da investigação do processo ético. Além do processo, o médico responde a uma sindicância que corre em sigilo processual. 

Em entrevista ao Correio em  4 de dezembro, uma paciente do Distrito Federal que não quis se identificar, revelou que mais de 40 vítimas do médico, tanto do DF quanto de Goiás, montaram um grupo de WhatsApp. Todos relatam histórias parecidas. "Ele sempre indica defeitos nos pacientes para poder mexer mais. Eu só queria fazer um tratamento de celulites e ele me recomendou fazer mandíbula, boca, nariz e maçã do rosto. Como ficou muito caro, só fiz mandíbula e meu rosto ficou completamente inchado", contou.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.