Rio de Janeiro Capilé chega ao Rio e deve responder por homicídio e tráfico de drogas Ele foi preso numa ação conjunta de agentes da 39ª Delegacia de Polícia, na Pavuna, e da Polícia Federal. O traficante vivia em um bairro de classe média alta da capital paraguaia

Por: AE

Publicado em: 17/12/2018 08:07 Atualizado em:

Carlos Eduardo Sales Cardoso, o Capilé. Foto: Divulgação/Senad Paraguai
Carlos Eduardo Sales Cardoso, o Capilé. Foto: Divulgação/Senad Paraguai
Apontado com um dos maiores traficantes de drogas e armas do país, Carlos Eduardo Sales Cardoso, o Capilé, chegou ao aeroporto de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro por volta das 21h deste domingo, 16. Ele foi levado diretamente para a Cidade da Polícia, na zona norte da cidade. Capilé foi preso na manhã de sábado, 15, em Assunção, no Paraguai, onde vivia há três anos.

De Assunção, Capilé foi transportado de avião e entregue a autoridades brasileiras na alfândega da Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, no Paraná, e levado para a Delegacia da Polícia Federal, de onde foi transferido para o Rio.

Capilé era um dos chefes do tráfico na favela de Acari, na zona norte. Ele foi preso numa ação conjunta de agentes da 39ª Delegacia de Polícia, na Pavuna, e da Polícia Federal. O traficante vivia em um bairro de classe média alta da capital paraguaia. Em sua casa, havia câmeras de segurança, grades e cerca eletrificada. A polícia apreendeu no local uma coleção de relógios, joias e cerca de R$ 450 mil em dinheiro. 

No momento da prisão, o criminoso estava com a mulher, dois filhos menores, o sogro e um amigo - que seria um dos seguranças do traficante. Considerado um dos principais líderes da facção criminosa Terceiro Comando Puro, que atua no Rio, o traficante era procurado há dez anos. As investigações revelam que ele vivia no país vizinho desde que deixou Acari há três anos, para acompanhar a compra de armas e drogas. Pelo menos seis facções criminosas atuam no Paraguai, de onde enviam drogas, armas e munições para o Brasil. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.