mais médicos Com mais 265 vagas, prazo para inscrição no Mais Médicos termina nesta sexta-feira Além desses postos, há 105 que nem sequer foram preenchidos

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 06/12/2018 11:28 Atualizado em: 06/12/2018 11:37

Foto: Reprodução/Internet
Foto: Reprodução/Internet
Acaba amanhã o prazo para as inscrições no Mais Médicos. Com a desistência de profissionais selecionados, o Ministério da Saúde reabriu 265 vagas. Além desses postos, há 105 que nem sequer foram preenchidos. O mais recente balanço da pasta mostra que 30% das candidaturas não foram concluídas. Das 34.653 inscrições, 10.702 foram negadas.

A primeira derrocada no processo, segundo o governo, se deve a incompatibilidade de horário, já que são exigidas 40 horas de trabalho semanais; ausência de documentação, conflito com outras atividades e falta de interesse em assumir postos em áreas isoladas. Há situações delicadas, como no Amazonas. Lá, das 322 vagas disponíveis, somente 213 foram ocupadas — 66% do total.

Apesar da renúncia de selecionados, 38% das vagas já foram preenchidas. De 8.405 selecionados, 3.276 médicos já se apresentaram ou começaram a trabalhar. Desde o início da semana, o Ministério da Saúde já telefonou para mais de três mil candidatos habilitados, além de mandar e-mails pedindo a apresentação imediata aos locais de trabalho. “Como todo processo seletivo, os participantes possuem autonomia em assumir ou não a vaga selecionada”, destacou a pasta, em nota.

Os profissionais têm até o dia 14 para apresentação nos municípios. “Em caso de necessidade, o Ministério da Saúde vai realizar novas chamadas até que complete o quadro de vagas do programa. Os médicos que decidirem não comparecer às atividades devem informar ao município alocado”, recomenda o texto.

O edital foi lançado para substituir os mais de 8 mil médicos cubanos que deixaram o atendimento, após o governo da ilha caribenha anunciar a saída do programa por discordar de mudanças anunciadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Indicação
Ontem, a pediatra Mayra Pinheiro, que ficou conhecida por se opor à participação de médicos cubanos no programa, aceitou o convite do futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para assumir a chefia do Mais Médicos. A indicação partiu da Frente Parlamentar da Medicina.

Mayara é professora universitária e presidiu o Sindicato dos Médicos do Ceará entre 2015 e 2018. Nas últimas eleições, ela concorreu ao Senado pelo PSDB. “Trabalharei incansavelmente ao lado do ministro Luís Henrique Mandetta para melhorar a saúde pública no meu país”, escreveu numa rede social. 

Vaia a cubanos 
Mayra Pinheiro se envolveu em uma polêmica ao vaiar e xingar médicos cubanos que chegaram a Fortaleza, em 2013, para integrar o programa. À época, ela gritou que eles eram “escravos”. Quando a ilha caribenha rompeu o convênio, a médica, mais uma vez, atacou: “O Mais Médicos não é e nunca foi uma solução sequer razoável para solucionar os problemas que motivaram sua criação. E o desfecho de agora deixa claro que a saúde da população brasileira não era a motivação da iniciativa. Trata-se de uma tentativa de retaliação, porque quiseram passar o atendimento primário de saúde para Cuba. E agora Cuba quer tentar desarticular o atendimento da população. Os médicos brasileiros não vão permitir”, escreveu a pediatra numa rede social.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.