corrupção PF cumpre mandados em Roraima e no DF para combater fraudes em presídios Segundo a corporação, esquema envolveu empresa contratada para fornecer alimentação aos presos no estado do Norte

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 29/11/2018 11:58 Atualizado em:

Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (29/11), a Operação Escuridão, que, segundo a corporação, busca desarticular uma organização criminosa envolvida em desvios de recursos públicos do sistema penitenciário de Roraima. A corporação cumpre 11 mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão, em Boa Vista e em Brasília. 
 
Os mandados foram expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. O inquérito policial foi instaurado no ano passado, após investigações apurarem informações de supostas irregularidades em contratos de fornecimento de alimentação para presídios em Roraima. A estimativa é que a organização criminosa tenha faturado cerca de R$ 70 milhões entre 2015 e 2018.  
 
De acordo com a PF, o esquema teve início há três anos, com a contratação emergencial de uma empresa recém-criada para cuidar da alimentação dos presos no estado. A investigação mostrou que a companhia, responsável pelo fornecimento de alimentos de 2015 até agora, superfaturava o valor da alimentação, além de informar quantitativo superior de refeições ao que era efetivamente providenciado e fornecer alimentos de baixa qualidade. 

Ainda segundo a PF, a empresa está em nome de laranjas. Os responsáveis sacaram aproximadamente 30% do valor dos contratos, em espécie, para o pagamento de propinas e para o enriquecimento ilícito dos reais donos do negócio. O esquema contava com a participação de agentes públicos e políticos, que também são alvos da operação. Os saques e repasses foram constatados pela PF por meio de filmagens feitas durante as investigações, que recolheram também com provas após a quebra do sigilo bancário e telefônico dos investigados. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.