Operação Pregadura PF ataca líderes de facções do crime organizado De acordo com a PF, os suspeitos comandavam ações da facção em todo o Brasil, autorizando ataques a funcionários públicos, torturas, rebeliões e compra e venda de armas de fogo

Por: AE

Publicado em: 20/11/2018 16:02 Atualizado em:

Foto: Arquivo / Agência Brasil
Foto: Arquivo / Agência Brasil
A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (20) a Operação Pregadura, que mira suspeitos de liderar facções criminosas que atuam dentro e fora de presídios do País. Ao todo, foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão e 31 de prisão preventiva em São Paulo e outros seis Estados.

De acordo com a PF, os suspeitos comandavam ações da facção em todo o Brasil, autorizando ataques a funcionários públicos, torturas, rebeliões e compra e venda de armas de fogo. As decisões partiam da Penitenciária Estadual de Piraquara, no Paraná, e eram difundidas por telefones celulares contrabandeados para dentro dos presídios.

Nas unidades prisionais onde não entrava equipamentos eletrônicos, a comunicação entre os suspeitos era feita por bilhetes passados por visitantes.

A Polícia Federal também investiga como os presos tiveram acesso à rede Wi-Fi dos presídios e não descartam participação de agentes públicos. "Ainda está em investigação, que irá mostrar se é possível a individualização e responsabilização de quem permitiu isso", disse o delegado Marco Smith, que coordenou a operação.

Ao todo, foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão e 31 de prisão preventiva em municípios de São Paulo (São Paulo, Presidente Bernardes, Presidente Venceslau, Lins, Mairiporã e Ubatuba), Minas Gerais (Uberava), Rondônia (Porto Velho), Rio Grande do Norte (Mossoró), Roraima (Boa Vista), Mato Grosso do Sul (Dourados e Campo Grande) e Paraná (Londrina, Cambará, Curitiba, Araucária, São José dos Pinhais e Piraquara).

A maioria dos presos já estava presa em unidades prisionais do País. Três foragidos foram localizados.

Os mandados foram expedidos pela Vara Criminal de Piraquara e o nome da operação, Pregadura, faz referência a uma jogada de xadrez que impede a movimentação das peças do adversário durante a partida.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.