Violência Estupro em Fortaleza pode ter ocorrido por intolerância política Crime contra estudante provoca manifestação de estudantes e entidades

Por: Agência Brasil

Publicado em: 26/10/2018 19:19 Atualizado em: 26/10/2018 20:28

Foto: Arquivo/Agência Brasil
Foto: Arquivo/Agência Brasil
Estudantes da Universidade de Fortaleza (Unifor) e de outras universidades realizaram um protesto na manhã desta sexta-feira (26) contra a violência sofrida por uma estudante de 33 anos, que foi vítima de estupro, nessa quinta-feira (25) próximo ao campus da Unifor, onde estuda. O crime gerou comoção e diversas entidadese estudantes. A suspeita é que o crime tenha ocorrido por intolerância política.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS), o crime foi denunciado na noite de quinta-feira. A mulher se dirigiu à Casa da Mulher Brasileira e foi acolhida no Centro de Referência da Mulher por uma equipe de assistentes sociais e psicólogos. Ela foi encaminhada para a Perícia Forense para realização de exame de corpo de delito e, em seguida, a uma unidade de saúde para ser medicada.

A cópia de uma mensagem supostamente enviada para a estudante circula nas redes sociais. No texto, há a ameaça de estupro e a pessoa a chama de comunista.


Nota da OAB
Em nota, a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Ceará (OAB/CE) disse que acompanha o caso “com consternação” e que o crime aparentemente ocorreu “por motivações políticas”. Ainda segundo a nota, a estudante havia denunciado a autoridades de segurança que recebia ameaças há vários dias.

“É lamentável e repugnante o nível que se chega nessas eleições. É preocupante o empoderamento de grupos que repercutem o discurso de ódio”, frisa a nota da comissão.

A OAB/CE faz parte do recém-lançado Observatório da Intolerância Política e Ideológica do Ceará, que monitora e acompanha denúncias e casos de violência relacionados a preconceitos, discriminações e intolerância. O observatório é formado também pelas Defensorias Públicas da União (DPU) e do Estado (DPE) e pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (CEDH).

O Ministério Público Estadual (MPCE) informou que está em contato com a Polícia Civil do Ceará para colaborar no esclarecimento do crime e punir os responsáveis. O caso está sob responsabilidade da Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza.

A Unifor também lançou nota repudiando a violência sofrida pela estudante e afirmando que “está tomando as medidas cabíveis junto às autoridades competentes e coloca a sua estrutura de apoio jurídico e psicológico para acompanhamento.”


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.