criminalidade Guerra do tráfico na fronteira com o Paraguai mata cinco pessoas Segundo a Polícia Civil, as execuções, com intervalo de poucas horas, indicam um recrudescimento da guerra entre grupos rivais para o controle do tráfico na fronteira dos países

Por: AE

Publicado em: 19/10/2018 09:00 Atualizado em:

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay
Cinco pessoas supostamente ligadas ao tráfico internacional foram executadas a tiros nesta quarta-feira (17), nas cidades de Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, e Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Entre as vítimas está o piloto brasileiro Mauro Alberto Parra Espíndola, de 58 anos, acusado de trabalhar para o narcotraficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, preso na penitenciária federal de Mossoró (RN). 

Conforme a Polícia Civil de Ponta Porã, as execuções, com intervalo de poucas horas, indicam um recrudescimento da guerra entre grupos rivais para o controle do tráfico na fronteira do Brasil com o país vizinho. Mauro Espíndola, que vivia no Paraguai, foi morto a tiros de fuzil em uma rua do centro de Pedro Juan Caballero a poucos metros da fronteira. Os pistoleiros atiraram de uma SUV branca e as balas perfuraram a blindagem da caminhonete Ranger, ocupada pelo brasileiro. 

Chamado de "narcopiloto" por trabalhar para grandes traficantes, Mauro chegou a ser extraditado para o Brasil, em 2005. Segundo a polícia, ele trabalhou para Jorge Rafaat Toumani, o "rei da fronteira", emboscado e morto em 2016, e para Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, um dos maiores traficantes brasileiros, detido no presídio federal de Catanduvas, no Paraná. O suspeito chegou a ser condenado a 16 anos de prisão por tráfico, mas estava em liberdade. 

Outras mortes

As paraguaias Elisa Aparecida Villagra Pimentel, de 19 anos, e R.C., de 16, foram mortas com tiros na nuca e jogadas em um lixão, em Pedro Juan Caballero. Em julho, Elisa tinha sido presa na casa onde foi achado um Toyota Hilux, roubado dias antes de um vereador de Dourados (MS). Após o furto, o veículo teria sido usado no transporte de drogas.

Já o brasileiro Danilo Solis Morinigo, de 20 anos, foi executado com 30 tiros de fuzil na Linha Internacional, que separa os dois países, na margem pertencente a Ponta Porã. Ele estava em liberdade condicional, após prisão por roubo de veículos e tráfico. Conforme o pai, que presenciou o crime, dois homens encapuzados se identificaram como policiais e mandaram que a vítima deitasse no chão, fazendo os disparos. Danilo seria namorado de Elisa.

Por fim, o paraguaio Edgard David Romero, de 25 anos, foi alvejado com tiros de pistola 9 mm quando estava em uma quadra, em Pedro Juan Caballero. Ele tinha prisão decretada pela Justiça paraguaia por suspeita de tráfico e roubo e se escondia em um acampamento de sem-teto, na periferia da cidade.

Conforme o Departamento de Investigação de Crimes de Amambay, província paraguaia, apenas em Pedro Juan Caballero foram registrados 11 assassinatos em seis dias. Na maioria dos casos, as evidências apontam para uma guerra entre facções que lutam pelo controle do crime organizado na fronteira.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.