racismo Jovens negras são comparadas a escravas durante desfile em shopping do DF 180 moças da capital federal e do Entorno participavam de uma seletiva. Os comentários ofensivos foram feitos em um grupo de WhatsApp

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 16/10/2018 09:47 Atualizado em: 16/10/2018 09:52

Jovens negras em seletivas da Cufa-DF, no JK Shopping. Foto: Reprodução/Facebook
Jovens negras em seletivas da Cufa-DF, no JK Shopping. Foto: Reprodução/Facebook

Jovens negras entre 16 e 25 anos, moradoras do Distrito Federal e do Entorno da capital federal, foram alvos de ofensas raciais, no último sábado (13/10), em um grupo do aplicativo de mensagens WhatsApp. Cerca de 180 moças participavam da seletiva de beleza do Top Cufa, no Shopping JK, em Taguatinga.

As mensagens criminais foram postadas na internet (veja abaixo). Nelas, um jovem identificado como Alex começa com os comentários racistas. “Está tendo um desfile só de negra aqui no (Shopping) JK. Coisa horrorosa”, diz. Uma pessoa participante do grupo pede, em seguida, para ele parar de falar ‘merda’.

Mas uma outra pessoa identificada apenas como Muniz aparece apoiando as ofensas e solta gargalhadas. “Mas é horroroso mesmo. Black moda week”, escreve. Em seguida, a mesma pessoa publica foto de escravos enfileirados e compara a imagem com as jovens. Mais duas pessoas aparecem zombando das modelos.

Uma pessoa não identificada questiona em seguida: “achar preta bonita?”. Em seguida, o homem identificado como Alex ainda posta uma outra foto de um papel de parede totalmente preto, diz que são imagens do desfile e pede desculpas porque “a qualidade do celular é ruim”. 

Uma discussão toma conta do grupo. Uma pessoa sem identificação demonstra uma indignação com as ofensas. Mas um dos integrantes defende os autores, justificando o ato como uma piada. “Só fizeram um comentário sobre o desfile está feio, em um sentido de brincadeira”, comenta.
 
Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook


Organizadores repúdiam
Assim que as ofensas vieram a público, a Central Única das Favelas do Distrito Federal (Cufa-DF), que é organizadora do evento, emitiu nota repudiando o episódio. “A organização do Top Cufa-DF foi informada de atos de racismo realizados em um grupo de WhatsApp com ofensas direcionadas a nossas candidatas negras. Ressaltamos que nosso concurso tem um recorte territorial, porém apenas as candidatas negras foram alvo de ataques, demonstrando que os agressores têm com objetivo promover ataques racistas ao concurso.”

Os organizadores afirmam que o concurso busca o empoderamento de mulheres de comunidades e Entorno do DF e entende ser primordial o trabalho de autoestima e valorização da pluralidade em nossa sociedade. “Lembramos que injúria racial está especificado no artigo 140 do Código Penal, terceiro parágrafo. É quando se ofende uma ou mais vítimas por meio de ‘elementos referentes à raça, cor, etnia, religião e origem’. É um crime inafiançável. E racismo também está previsto em lei específica, a 7.716/1989. É um crime contra a coletividade. O crime de racismo é inafiançável e imprescritível. A pena também vai de um a três anos e multa.

Por último, a Cufa-DF diz que é possível identificar todos os envolvidos. “Informamos também que crimes realizados em redes sociais são passíveis de identificação e punição e que estar em rede não significa estar invisível ou não passível de punição. Lamentamos que esse fato tenha ocorrido e nos solidarizamos com as vítimas afirmando que não somos nem jamais seremos coniventes com esse tipo de atitude e que continuaremos fortalecendo nossos projetos com a certeza que essa missão é necessária para a sociedade”, finaliza na nota.
 
Os organizadores registraram boletim de ocorrência na segunda-feira (15/10). O crime está sendo investigado pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa, Orientação Sexual, Pessoa Idosa ou com Deficiência.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.