economia Brexit implicará controles administrativos entre Grã-Bretanha e Irlanda do Norte A primeira-ministra Theresa May insiste que o Brexit não pode ser à custa da soberania britânica, e seus aliados parlamentares da Irlanda do Norte rejeitaram qualquer acordo nesse sentido

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 10/10/2018 14:09 Atualizado em:

Primeira-ministra da Inglaterra, Theresa May - Foto: John Thys/AFP Photo
Primeira-ministra da Inglaterra, Theresa May - Foto: John Thys/AFP Photo
A Grã-Bretanha deverá aceitar certos controles administrativos sobre o comércio com a Irlanda do Norte em qualquer acordo para o Brexit, declarou nesta quarta-feira o negociador da União Europeia (UE) Michel Barnier.

A primeira-ministra Theresa May insiste que o Brexit não pode ser à custa da soberania britânica, e seus aliados parlamentares da Irlanda do Norte rejeitaram qualquer acordo nesse sentido.

"Tanto a UE como a Grã-Bretanha excluem uma fronteira física na ilha da Irlanda, por isso o que acontecer na Irlanda do Norte também vai acontecer no mercado único europeu", disse Barnier.

"Haverá procedimentos administrativos que não existem atualmente para os bens provenientes do resto da Grã-Bretanha que entram na Irlanda do Norte", explicou a representantes de empresas da UE em Bruxelas.

O negociador europeu apontou que as medidas seriam temporárias, enquanto um novo acordo comercial é negociado com Londres, e seria reduzidas ao mínimo se o Reino Unido aceitar um acordo de união aduaneira sob as regras comunitárias.

"Estamos abertos a ter uma união aduaneira com a Grã-Bretanha, o que eliminaria uma grande parte dos controles de fronteira", acrescentou.

Mas, à espera de um acordo final, as empresas britânicas que enviarem mercadorias para a Irlanda do Norte deverão preencher "declarações aduaneiras" com antecedência.

"O único controle sistemático visível entre Irlanda do Norte e o resto da Grã-Bretanha seria a leitura do código de barras dos contêineres, o que se faria nos navios ou portos de trânsito, como é feito atualmente entre a Espanha (continental) e Ilhas Canárias", indicou. 

Os controles de bens industriais produzidos na Irlanda do Norte destinados à exportação para a União Europeia poderiam ser realizados "por reguladores" nas fábricas, em vez de nas fronteiras.

Quanto aos controles sanitários e fitossanitários, "a Irlanda deve permanecer uma zona epidemiológica única. Já são realizados controles nos portos, mas com o Brexit haverá uma mudança de escala e atingirá 100% dos animais e não os 10% de ontem", declarou.

Theresa May participará na próxima semana de uma cúpula da UE, considerada pelo presidente do Conselho Europeu Donald Tusk como o "momento da verdade" para as negociações sobre uma saída ordenada do clube europeu.

May está sob pressão para chegar a um acordo antes de 29 de março, mas o Partido Unionista Democrático (DUP) da Irlanda do Norte, que tem 10 deputados na Câmara dos Comuns, ameaçou nesta quarta-feira com não votar o orçamento este mês se o governo ceder muito nas negociações.

A aprovação do orçamento na Câmara dos Comuns é tradicionalmente um teste de confiança no governo. Sem sua aprovação, o governo poderia cair.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.