assalto ao banco central Um dos líderes do furto Banco Central em Fortaleza é preso, 13 anos depois Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi encontrado a 220km da capital cearense. No mês passado, outro acusado de participar do crime foi detido no DF

Por: Otávio Augusto

Publicado em: 18/09/2018 15:32 Atualizado em:

Foto: Tuno Vieira/Diario do Nordeste
Foto: Tuno Vieira/Diario do Nordeste
Treze anos após o furto de R$ 164,7 milhões dos cofres do Banco Central em Fortaleza, ocorrido em 2005, a polícia prendeu um dos líderes da quadrilha. Raimundo Laurindo Barbosa Neto foi detido nesta terça-feira (18/9) em Boa Viagem, a 220km da capital cearense. 


Laurindo foi julgado pela participação no furto e condenado a 17 anos de prisão, mas nunca cumpriu a pena e era foragido da Justiça. Ele também é acusado de tráfico de drogas e associação criminosa. O criminoso será encaminhado à Delegacia de Combate às Ações Criminosas Organizadas (Draco). Até a última atualização desta reportagem, a Secretaria de Segurança do Ceará não havia comentado o caso. 
 
Há pouco mais de um mês, a Polícia Militar do DF prendeu outro envolvido no crime. O homem de 36 anos foi detido na porta de casa, no Paranoá, após dias de monitoramento iniciado com uma denúncia anônima.  
 
Como foi o crime 
 
Na madrugada de 5 para 6 de agosto de 2005, ladrões entraram na caixa-forte do Banco Central localizado em Fortalzea por meio de um túnel e levaram mais de três toneladas em notas de R$ 50, passando por baixo de uma das mais movimentadas vias do centro da capital. O túnel partia de uma casa alugada pela quadrilha. 

O furto ao banco ficou nacionalmente famoso devido à complexidade. O túnel tinha 90m de extensão e mais de 130 pessoas foram denunciadas por participação no crime. Esse é considerado o maior roubo a banco do país, e o terceiro do mundo.  



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.