Haddad vê ação com motivação eleitoral e amparada em 'palavra de bandido' O ex-prefeito sugeriu que a ação foi proposta para gerar um fato político às vésperas da eleição

Por: AE

Publicado em: 29/08/2018 12:13 Atualizado em:

Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert
O candidato a vice-presidente na chapa do PT, Fernando Haddad, disse na terça-feira (28), no Rio, que a ação por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público de São Paulo contra ele está baseada na "palavra de um bandido" - em referência ao ex-presidente da construtora UTC Ricardo Pessoa. 

O ex-prefeito sugeriu que a ação foi proposta para gerar um fato político às vésperas da eleição. Haddad deverá substituir Luiz Inácio Lula da Silva como candidato à Presidência pelo PT, já que o ex-presidente, condenado e preso na Lava Jato, está potencialmente inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. 

"O MP tem na mão a palavra de um bandido que mentiu oito vezes para a Justiça e teve seus interesses contrariados aos 44 dias do meu governo", disse Haddad. "Parece que foram oito inquéritos arquivados porque ele não consegue comprovar o que diz."

O ex-prefeito sugeriu que o MP paulista atua politicamente e não investiga da mesma forma suspeitas de corrupção relacionadas ao governo de São Paulo, controlado pelos tucanos desde a década de 1990. 

Segundo Haddad, em "24 anos de governo do PSDB, tem escândalo em todo o canto". "E não há nada, não há nenhum procedimento (de investigação)." 

Ele levantou suspeita sobre o momento em que a ação foi ajuizada. "De repente, uma coisa de três anos atrás aparece faltando 40 dias para a eleição?", questionou.

A Executiva Nacional do PT divulgou nota na terça na qual afirma que vai apresentar uma representação ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) contra o promotor Wilson Tafner, responsável pela ação.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.