Maldade Polícia ainda procura por homens que atiraram em cadela na Grande BH Um inquérito foi instaurado e a polícia já tem dois suspeitos, mas ninguém foi preso ainda. Cadela se recupera após passar por cirurgia

Por: Estado de Minas

Publicado em: 09/08/2018 19:50 Atualizado em: 09/08/2018 20:06

Foto: SGPAN/Divulgação (Foto: SGPAN/Divulgação)
Foto: SGPAN/Divulgação
A cadela Serena, encontrada baleada em uma estrada que liga Caeté, na Grande Belo Horizonte, e Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais, já está conseguindo se alimentar sozinha. No último dia 24, dois homens atiraram na cadela e fugiram do local. A polícia ainda não localizou os responsáveis. 

O animal, socorrido por uma médica veterinária que trabalha em uma obra próxima ao local da agressão, teve que ser operado em Belo Horizonte para reconstituir a mandíbula quebrada. Após a cirurgia, Serena foi alimentada via sonda. Nesta semana, a sonda foi retirada e, pela primeira vez, a cadela conseguiu se alimentar sozinha. 

O caso foi denunciado pela Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza de Caeté (SGPAN), que registou o boletim de ocorrência. A entidade pretende também acionar o Ministério Público do Estado de Minas Gerais. Maus-tratos a animais são considerados crime de acordo com legislações de vários municípios, do estado e federal. 

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil informou que as investigações ainda estão em andamento. Um inquérito foi instaurado e a polícia já tem dois suspeitos, mas ninguém foi preso ainda. 
 
 
 
Relembre o caso

A cadela era vista constantemente circulando pela obra da estrada que liga Caeté a Barão de Cocais, na Região Central de Minas. De acordo com informações a Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza de Caeté (SGPAN), na tarde do último dia 24, algumas pessoas ouviram o choro do animal e, ao verificar, constataram os ferimentos. 

A médica veterinária de animais silvestres Paula Senra, que trabalha na obra, a socorreu e a levou para uma clínica particular em Caeté. Após duas semanas do ocorrido, a Polícia Civil ainda investiga o caso e busca os autores. 

Como ajudar?

A ONG está fazendo vaquinha para pagar o tratamento da cadelinha. Quem quiser colaborar pode deixar doações na clínica em que o animal está internado – na Avenida Mundeus, 51, Bairro Mundeus, em Caeté – ou por meio de depósito bancário na conta da ONG, Caixa Econômica Federal, agência 1441, operação 003, conta-corrente 00001943-2. O CNPJ é o 10431376/0001-04. 

As doações recebidas pela SGPAN foram essenciais para a realização do procedimento. Desde que o caso foi divulgado, diversas pessoas fizeram depósitos na conta da instituição, que atua há 10 anos em Caeté. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.