Offline Facebook: exclusão de páginas aconteceu após rigorosa investigação A rede social removeu contas ligadas ao MBL no dia 25 de julho e foi questionada pelo Ministério Público Federal em Goiás

Por: Agência Brasil

Publicado em: 06/08/2018 20:17 Atualizado em:

No documento, a empresa retoma as explicações concedidas à época do incidente, sem especificar a infração que cada conta teria cometido. Foto: Oli Scarff / AFP (Foto: Oli Scarff / AFP)
No documento, a empresa retoma as explicações concedidas à época do incidente, sem especificar a infração que cada conta teria cometido. Foto: Oli Scarff / AFP
O Facebook enviou resposta ao Ministério Público Federal em Goiás sobre a derrubada de 196 páginas e 87 perfis pelo que justificou como violação da sua política de autenticidade. A rede social removeu as contas no dia 25 de julho argumentando que elas desrespeitavam regras internas denominadas %u201CPadrões da Comunidade%u201D.

No mesmo dia, o procurador do MPF em Goiás Ailton Benedito encaminhou ofício cobrando explicações da empresa sobre a medida. No documento, ele solicitou a lista das páginas atingidas e a justificativa para cada exclusão. O Movimento Brasil Livre protestou na ocasião, acusando a plataforma de censura.

A resposta da plataforma, enviada na semana passada e divulgada hoje (6) pelo MPF, traz o conjunto dos perfis removidos. No documento, a empresa retoma as explicações concedidas à época do incidente, sem especificar a infração que cada conta teria cometido.

Segundo o Facebook, a exclusão teria ocorrido após %u201Crigorosa investigação%u201D, que teria apontado no caso dessas páginas e perfis condutas em desconformidade com a %u201Cpolítica de autenticidade%u201D. Entre as práticas classificadas pela plataforma como "comportamento não autêntico" está a de manter contas falsas ou com nomes falsos.

Também são considerados questionáveis perfis que participam de comportamentos não autênticos coordenados, ou seja, quando múltiplas contas trabalham em conjunto com a finalidade de: enganar as pessoas sobre a origem do conteúdo, enganar as pessoas sobre o destino dos links externos aos serviços da plataforma, enganar as pessoas na tentativa de incentivar compartilhamentos, curtidas ou cliques e enganar as pessoas para ocultar ou permitir a violação de outras políticas de acordo com os Padrões da Comunidade.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.