Violência Em 2018, 153 pessoas LGBTi já foram mortas no Brasil vítimas de preconceito Uso de armas de fogo fica em primeiro lugar nos assassinatos, seguido pelas armas brancas perfuro-cortantes

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 17/05/2018 10:05 Atualizado em:

Foto: Hesiodo Goes/Esp. DP/D.A. Press
Foto: Hesiodo Goes/Esp. DP/D.A. Press
Neste 17 de maio, Dia Internacional contra a LGBTIfobia, as estatísticas mostram o que ninguém quer ver – a população LGBTi+ ainda vive insegurança e é alvo de violência pelas ruas do país. Até 15 de maio deste ano, ao menos 153 pessoas LGBTis morreram no Brasil, vítimas de preconceito contra a identidade de gênero e contra a orientação sexual. Em 2017, contudo, foram registradas 169 vítimas de homofobia, lesbofobia, bifobia, transfobia e intersexofobia – 16 a mais que o ano passado. Os dados são do Grupo Gay da Bahia, Organização Não-Governamental que trata dos direitos dos homossexuais. 

"Apesar da diminuição, ainda não podemos comemorar, pois esses registros ainda não estão consolidados, e podem aumentar na medida que formos informados", disse Marcelo Cerqueira, presidente do GGB. De acordo com o levantamento, a causa de morte reflete a mesma tendência dos anos anteriores, predominando o uso de armas de fogo, seguida por armas brancas perfuro-cortantes. Do total de vítimas, 62 eram gays, 58 trans, 27 lésbicas, 6 bissexuais. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.