Facebook Polícia detém homem e adolescente em transmissão ao vivo de uso de drogas Quando viram a transmissão ao vivo por uma rede social agentes da Polícia Civil de Ceilândia se deslocaram até a casa de um dos suspeitos, onde os dois estavam

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 16/05/2018 18:46 Atualizado em: 16/05/2018 18:51

A ação policial ficou registrada na filmagem. Foto: Divulgação/Divicom
A ação policial ficou registrada na filmagem. Foto: Divulgação/Divicom
Um adolescente de 15 anos foi apreendido após fazer uma transmissão ao vivo pelo Facebook, na tarde de segunda-feira (15), com um homem de 19 anos, usando entorpecentes. Agentes da 24ª Delegacia de Polícia (Setor O, em Ceilândia) viram o vídeo e se deslocaram até a casa do homem, localizada na QNO 19, Distrito Federal. A ação policial ficou registrada na filmagem. 

O adolescente transmitia o vídeo, que dura 22 minutos. Durante a transmissão, os dois fazem propaganda de drogas: "Chegou o verdão na quebrada", anuncia o homem. Cada um aparece segurando um cigarro, aparentemente de maconha. Os policiais chegaram até os jovens após assistirem a transmissão ao vivo, que estava em modo público. 

"Fizemos uma operação de forma instantânea, porque, além da transmissão ao vivo, recebemos denúncias de que a casa do (suspeito) estava se tornando ponto de tráfico de drogas da região. Fomos até a residência e adentramos, por ser uma situação de flagrante. O que não esperávamos era que a transmissão ainda estivesse acontecendo", relata o delegado-chefe Ricardo Viana. 

Após a apreensão do adolescente e a prisão do homem, agentes encontraram comprimidos de rohypnol, além de trouxas de maconha e crack. O adolescente foi encaminhado à Delegacia da Criança e do Adolescente 2 (Taguatinga) por ato infracional análogo à apologia ao crime.  

O foi preso e levado à 24ª DP por corrupção de menores, apologia ao crime e tráfico de drogas. Se condenado, todas as penas somadas podem chegar a 29 anos de prisão. Ele já tinha passagem por roubo e furto.

O Correio omitiu o nome do homem para preservar a identidade do adolescente, em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescentes (ECA).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.