• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Tremor Terremoto de magnitude 3,6 na escala Richter faz Florianópolis tremer A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros da cidade averiguam as consequências do tremor

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 13/04/2018 14:29 Atualizado em: 13/04/2018 14:32

Tremor foi registrado no norte e no sul da ilha. Foto: Guia Viajar Melhor/Reprodução
Tremor foi registrado no norte e no sul da ilha. Foto: Guia Viajar Melhor/Reprodução

Os moradores de Florianópolis (SC) sentiram a terra tremer na manhã desta sexta-feira (13/4). Os centros de sismologia das universidades de Brasília (UnB) e de São Paulo (USP) registraram, às 9h28, um tremor de magnitude 3,6 na escala Richter, na margem continental do estado.

De acordo com a Defesa Civil de Santa Catarina, foram relatados tremores no norte e no sul da ilha. Em São João Batista, também chegaram relatos do tremor. “Até o momento a situação está sendo averiguada”, informou o órgão.

O prefeito de Florianópolis, Gena Loureiro, disse por meio das redes sociais que, "a princípio, (não há) nenhum problema com estruturas em residências. Há possibilidade de ser reflexo de algum tremor em outro país vizinho. Estamos investigando o caso". O tremor procovou 40 chamadas para a Defesa Civil e 32 para o Corpo de Bombeiros.

Ao jornal Notícias do Dia, o geólogo e chefe do Departamento de Geociência da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Norberto Olmiro Horn Filho, disse que os tremores foram provocados por um maremoto, ou seja, com origem no mar. "O fenômeno aconteceu na plataforma Florianópolis, que divide duas bacias: a de Santos, para o Norte, e Pelotas, da região Sul do país", explicou.
 
Tremor em Brasília

O abalo sísmico em Santa Catarina foi registrado 11 dias após um tremor na Bolívia ter sido sentido em Brasília e em outros Estados do Brasil. Santa Catarina não foi um deles. Na ocassião, prédios em Brasília foram esvaziados devido ao tremor de magnitude 6,7 na escala Richter.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.