• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Assassinato Mulher encomenda morte do amante um ano depois de mandar matar o esposo no Mato Grosso Cléia dos Santos, 35 anos, pediu para que o amante matasse o marido em 2016 e, no ano passado, também mandou matar o amante. Crime aconteceu na cidade de Sinop, no Mato Grosso

Publicado em: 24/03/2018 16:06 Atualizado em:

Cléia teria forjado um latrocínio para assassinar o marido, Jandirlei. Foto: Polícia  Civil / Divulgação
Cléia teria forjado um latrocínio para assassinar o marido, Jandirlei. Foto: Polícia Civil / Divulgação
Uma mulher foi presa no Mato Grosso acusada de participação em dois assassinatos. Cléia Rosa dos Santos teria encomendado a morte do marido Jandirlei Alves Bueno, em 2016, na cidade de Sinop, a 503 km de Cuiabá. O responsável pela execução seria o amante de Cléia, Adriano Gino.

Jandirlei foi atingido por golpes de facas e encaminhado ao hospital. A vítima morreu dois meses depois. O crime teria sido arquitetado por Cléia e Adriano, que forjaram um latrocínio com o intuito de atrapalhar as investigações da polícia.

Em dezembro do ano passado, pouco mais de um ano depois da morte de Jandirlei, Cléia mandou matar o amante. De acordo com a polícia, a acusada afirmou que teve a ajuda de dois guarda-noturnos para a execução do segundo crime.

Neste, Cléia afirmou ter dopado Adriano até a chegada dos envolvidos que assassinaram a vítma com golpes de enxada. O segundo crime teria sido motivado porque Adriano estaria ameaçando Cléia.

Pouco mais de um ano depois de encomendar a morte do marido, Cléia mandou matar o amante. Foto: Policia Civil / Divulgação
Pouco mais de um ano depois de encomendar a morte do marido, Cléia mandou matar o amante. Foto: Policia Civil / Divulgação
Os dois guarda-noturnos, que não tiveram os nomes divulgados, foram presos e confessaram a participação no crime.

O corpo de Adriano Gino foi encontrado neste sábado (24) enterrado em uma região afastada do centro da cidade. Os três acusados estão sendo ouvidos pela polícia.

 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.