• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Saúde Paulistano volta a parque sem estar protegido contra febre amarela Fechados desde outubro de 2017, os Parques Estaduais Horto Florestal, da Cantareira e Ecológico do Tietê, na capital paulista foram reabertos este mês

Por: AE

Publicado em: 12/01/2018 08:45 Atualizado em: 12/01/2018 08:48

Foto: André Borges/Agência Brasília (Foto: André Borges/Agência Brasília)
Foto: André Borges/Agência Brasília
A reabertura de três parques estaduais na capital paulista - fechados havia mais de dois meses após a infecção de macacos por febre amarela - causou desconfiança até entre frequentadores vacinados que nesta quinta-feira, 11, foram aos locais. Muitos dos que estiveram no Horto Florestal, na zona norte, encheram o corpo de repelente. Outros levaram carteira de vacinação, achando que teriam o documento cobrado na entrada. 

A reportagem abordou 20 pessoas nesta quinta no Horto e somente uma família não estava protegida. O segurança Waldemar Moretti, de 36 anos, havia se vacinado com a filha e três sobrinhos no dia anterior. A proteção só ocorre após dez dias. "Vacinei porque as crianças pediram", diz Moretti. Já o aposentado Francisco Rocha, de 65 anos, levou até carteira para comprovar a vacinação, mas o documento não é cobrado.
Infectologistas consideraram precipitada a reabertura dos parques. "Quem frequenta o Horto não é só quem mora no entorno. Enquanto não tiver cobertura de vacinação mais plena, acho precipitado", disse Artur Timerman, presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses. "Pessoas estão frequentando parques sem vacinação e sem colocar repelente", completou Celso Granato, professor de Infectologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

Já Regiane de Paula, diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica estadual, disse que a reabertura dos parques só ocorreu após cumprimento da previsão de imunização do entorno.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.