• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Rio de Janeiro Polícia pede prisão de 34 suspeitos de envolvimento nos confrontos na Rocinha Ações das forças de segurança após conflitos na comunidade resultaram na prisão de 53 suspeitos e na apreensão de 11 adolescentes

Por: Agência Brasil

Publicado em: 11/10/2017 14:00 Atualizado em:


A Polícia Civil do Rio de Janeiro apresentou na manhã de hoje (11) o pedido de prisão de 34 suspeitos relacionados à invasão de criminosos à Rocinha, em 17 de setembro, que levou a confronto entre facções rivais. Os pedidos foram entregues ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, segundo o delegado titular da 11ª DP, Antônio Ricardo.

Os suspeitos foram identificados pelas investigações após a expedição de 54 mandados referentes ao episódio. Desses, 16 já foram cumpridos.

De acordo com o delegado, os mandados apontam suspeitas de tentativa de homicídio qualificado contra agente de segurança pública, associação para o trafico, resistência qualificada e outros crimes.

As forças de segurança apresentaram um balanço das ações realizadas desde 18 de setembro na Rocinha e contra criminosos de outras comunidades que estão de alguma forma envolvidos no conflito. O número de prisões chega a 53, incluindo a mulher do traficante Nem, Danúbia Rangel, dois supostos seguranças do traficante Rogério 157 e o chefe do crime organizado no Morro do Caju, de onde traficantes teriam saído para participar da invasão. A polícia ainda apreendeu 11 adolescentes.

Desde ontem, as Forças Armadas, a Polícia Civil e a Polícia Militar fazem buscas na área da mata próxima à favela, e números específicos sobre essas ações não foram divulgados. Desde 18 de setembro, 29 fuzis, três submetralhadoras, cinco espingardas e 25 pistolas foram apreendidos, além de 36 granadas ou explosivos. Mais de duas toneladas de drogas foram encontradas.

Segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública, 16 pessoas morreram em confronto com as forças de segurança nessas ações.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.